top of page
  • Foto do escritorSérgio Fadul / Franciscanos

Santo Odilo de Cluny


Odilo nasceu em 962, na cidade francesa de Auvergne. Seu pai era Beraldo, da nobre família Mercoeur e sua mãe Gerberga. Narra a tradição que a sua vida espiritual começou na infância, aos quatro anos de idade. Era portador de uma deficiência nas pernas que o impedia de andar. Certa vez, sua governanta o deixou sentado na porta da igreja, enquanto foi falar com o padre. Odilo aproveitou para rezar e se arrastou até o altar, onde pediu à Virgem Maria que lhe concedesse a graça de poder caminhar. Neste instante, sentiu uma força invadir as pernas, ficou de pé e andou até onde estava a empregada, que, junto com o vigário, constatou o prodígio.


Assim que terminou os estudos ingressou no Mosteiro beneditino de Cluny, em 991. Tão exemplar e humilde foi seu trabalho que, quando o abade e santo Maiolo sentiu que sua hora era chegada, elegeu-o seu sucessor, em 994. Este cargo, Odilo ocupou até a morte.


Ele era um homem de estatura pequena e aparência comum, mas possuía uma força de caráter imensa. Soube unir suas qualidades inatas de liderança e diplomacia, com a austeridade da vida monástica e o desejo de fazer reinar Cristo sobre a terra. Desta maneira conseguiu, num período difícil de conflitos entre a Igreja e o Império, realizar a doutrina de paz e fraternidade pregadas no Evangelho. Exerceu sua influência sobre os dois, de modo que se estabeleceu a célebre “trégua de Deus”, conseguida, grande parte, por seu empenho.


Como alto representante da Igreja que se tornara, era procurado e consultado tanto pelos ilustres da corte como pelos pobres do povo, atendendo a todos com a mesma humildade de um servo de Cristo. A sua caridade era ilimitada, tanto que, para suprir as necessidades dos famintos e abandonados, chegava a doar as despensas do mosteiro. Até a valiosa coroa, presenteada pelo imperador Henrique II, e os objetos sagrados da Abadia foram vendidos, quando a população se viu assolada pela peste, em 1006. Mesmo assim os recursos foram insuficientes, então, Odilo se fez um mendigo entre os mendigos, passando a pedir doações aos príncipes e à aristocracia rica, repassando para a população flagelada.


No trabalho religioso, aumentou a quantidade dos mosteiros filiados à Abadia de Cluny, que de trinta e sete passaram a ser sessenta e cinco. Naquela época, Cluny se tornou a capital de uma verdadeira reforma monástica, que se difundiu por toda a Europa e, pode-se dizer que Odilo, quinto abade de Cluny, era considerado o verdadeiro chefe da cristandade, porque o papado teve de se envolver com os problemas políticos da anarquia romana.


Em 998, por sua determinação, todos os conventos beneditinos passaram a celebrar “o dia de todas as almas”. Data que Roma implantou para todo o mundo católico em 1311, com o nome de “dia de finados”. Foi ainda eleito Arcebispo de Lion pelo povo e pelo clero, chegando a ser nomeado pelo Papa João XIX, mas recusou o cargo.


Em 31 de dezembro de 1049, morreu com fama de santidade, no mosteiro de Souvigny, França. O seu culto foi reconhecido pela Igreja e incluído no calendário dos beneditinos de todo o mundo, cuja comemoração passou do dia 2 de janeiro para 19 de janeiro (Cluny). E sua festa também é comemorada em 06 de fevereiro (Suíça) e 11 de maio em algumas localidades. No Martirológio Romano está marcado no dia 01 de janeiro.


Santo Odilo, rogai por nós!



MARTIROLÓGIO ROMANO

19/01


1. Em Esmirna, hoje Izmir, na Turquia, a paixão de São Germânico, mártir de Filadélfia, que, no tempo dos imperadores Marco Antonino e Lúcio Aurélio, foi discípulo de São Policarpo, a quem precedeu no martírio: condenado pelo juiz ainda na flor da idade juvenil, superou pela graça de Deus o medo da sua fragilidade corporal e provocou espontaneamente a fera para ele preparada.

(† c. 167)


2. Em Spoleto, na Úmbria, região da Itália, São Ponciano, mártir, que, no tempo do imperador Antonino, crudelissimamente flagelado por amor de Cristo, foi finalmente morto ao fio da espada.

(† s. II)


3. Na Via Cornélia, a treze milhas de Roma, no cemitério “ad Nymphas”, os santos Mário, Marta, Audifaz e Ábaco, mártires.

(† c. s. IV)


4. Comemoração de São Macário Magno, presbítero e abade do mosteiro de Cete, no Egito, que, morto para o mundo e para si, vivia só para Deus, o que ensinava também aos seus monges.

(† c. 390)


5. Comemoração de São Macário o Alexandrino, presbítero e abade no monte Cete, no Egito.

(† s. V)


6. Em Lódi, na Ligúria, atualmente na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Bassiano, bispo, que, para defender o seu povo da heresia dos arianos ainda vigente neste território, lutou com grande ardor juntamente com Santo Ambrósio de Milão.

(† 409)


7. Em Como, na Lombardia, região da Itália, as santas Liberata e Faustina, irmãs e virgens, que fundaram o mosteiro de Santa Margarida.

(† c. 580)


8*. Em Dreux, junto de Chartres, na Nêustria, hoje na França, São Lomar, abade do mosteiro de Corbion, hoje Moutiers-au-Perche.

(† c. 593)


9. Em Ravena, na actual Emília-Romanha, região da Itália, São João, bispo, que, enquanto toda a Itália era devastada pela guerra com os Lombardos, providenciou egregiamente às necessidades da Igreja, segundo o testemunho de São Gregório Magno, que lhe enviou o livro da Regra Pastoral.

(† 595)


10*. Em Ruão, na Nêustria, atualmente na França, São Remígio, bispo, irmão do rei Pepino, que com grande diligência procurou que se cantasse a salmodia segundo o costume de Roma.

(† c. 762)


11*. Em Corfu, na Grécia, Santo Arsénio, bispo, pastor de almas muito dedicado ao seu rebanho e assíduo à oração noturna.

(† s. X)


12*. Em Sevilha, na Espanha, o Beato Marcelo Spínola y Maestre, bispo, que fundou centros de operários para promover o desenvolvimento da sociedade humana, lutou pela verdade e pela justiça e abriu a sua casa aos indigentes.

(† 1906)

Kommentare


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page