top of page
  • Sérgio Fadul - Franciscanos.org

Santa Walburga


Walburga, de origem inglesa, era filha de São Ricardo, rei dos saxões do Oeste. Nasceu por volta de 710 em Devonshire, na Inglaterra meridional. Era uma princesa dos Kents, cristãos que desde o século III se sucediam no trono. Ela viveu cercada de nobreza e santidade. Seus parentes eram reverenciados nos tronos reais, mas muitos preferiram trilhar o caminho da santidade e foram elevados ao altar pela Igreja, como seu pai, são Ricardo e os irmãos Wilibaldo e Wunibaldo.


Walburga tinha completado dez anos quando seu pai entregou o trono ao sobrinho, que tinha atingido a maioridade e levou a família para viver num mosteiro. Poucos meses depois, o rei e os dois filhos partiram em peregrinação para Jerusalém, enquanto ela foi confiada à abadessa de Wimburn. Dois anos depois seu pai morreu em Luca, Itália. Assim ela ficou no mosteiro onde se fez monja e se formou. Depois escreveu a vida de Wunibaldo e a narrativa das viagens de Vilibaldo pela Palestina, pois ambos já eram sacerdotes.


Em 748, foi enviada por sua abadessa à Alemanha, junto com outras religiosas, para fundar e implantar mosteiros e escolas entre populações recém-convertidas. Na viagem, uma grande tempestade foi aplacada pelas preces de Walburga, por ela Deus já operava milagres. Naquele país, foi recebida e apoiada pelo bispo Bonifácio, seu tio, que consolidava um grande trabalho de evangelização, auxiliado pelos sobrinhos missionários.


Designou a sobrinha para a diocese de Eichestat onde Wunibaldo que havia construído um mosteiro em Heidenheim e tinha projeto para um feminino na mesma localidade. Ambos concluíram o novo mosteiro e Walburga eleita a abadessa. Após a morte do irmão, ela passou a dirigir os dois mosteiros, função que exerceu durante dezessete anos. Nessa época transpareceu a sua santidade nos exemplos de sua mortificação, bem como no seu amor ao silêncio e na sua devoção ao Senhor. As obras assistenciais executadas pelos seus religiosos fizeram destes mosteiros os mais famosos e procurados de toda a região.


Walburga se entregou a Deus de tal forma que os prodígios aconteciam com frequência. Os mais citados são: o de uma luz sobrenatural que envolveu sua cela enquanto rezava, presenciada por todas as outras religiosas e o da cura da filha de um barão, depois de uma noite de orações ao seu lado.


Morreu no dia 25 de fevereiro de 779 e seu corpo foi enterrado no mosteiro de Heidenheim, onde permaneceu por oitenta anos. Mas, ao ser trasladado para a igreja de Eichestat, quando de sua canonização, em 893, o seu corpo foi encontrado ainda intacto. Além disso, das pedras do sepulcro brotava um fluído de aroma suave, como um óleo fino, fato que se repetiu sob o altar da igreja onde o corpo foi colocado.


Nesta mesma cerimônia, algumas relíquias da Santa foram enviadas para a França do Norte, onde o rei Carlos III, o Simples, havia construído no seu palácio de Atinhy, uma igreja dedicada a Santa Walburga. O seu culto, em 25 de fevereiro, se espalhou rápido, porque o óleo continuou brotando. Atualmente é recolhido em concha de prata e guardado em garrafinhas distribuídas para o mundo inteiro. Os devotos afirmam que opera milagres.


A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Cesário de Nazianzo, Hereno e Vítor.



MARTIROLÓGIO ROMANO

25/02


1. Em Perga, na Panfília, na actual Turquia, a paixão de São Nestor, bispo de Magido e mártir, que, preso durante a perseguição do imperador Décio, foi condenado pelo governador da província a morrer na cruz, para que sofresse o mesmo suplício do Crucificado, cuja fé professava.

(† c. 250)


2. Em Nazianzo, na Capadócia, hoje Nenízi, na Turquia, São Cesário, médico, irmão de São Gregório de Nazianzo.

(† 369)


3*. Em Maubeuge, na Gália Bélgica, atualmente na França, Santa Adeltrudes, virgem e abadessa.

(† 526)


4. No mosteiro de Heindenheim, na Francónia, hoje na Alemanha, Santa Valburga, abadessa, que, a pedido de São Bonifácio e dos seus irmãos São Vilebaldo e São Vinebaldo, veio da Inglaterra para a Alemanha, onde dirigiu excelentemente dois mosteiros, um de monges e outro de monjas.

(† 779)


5*. Em Agrigento, na Sicília, região da Itália, São Gerlando, bispo, que reorganizou a sua Igreja, liberta do poder dos Sarracenos.

(† 1100)


6*. No priorado de Orsan, no território de Bourges, região da Aquitânia, atualmente na França, o passamento do Beato Roberto de Abrissel, presbítero, que, pregando a conversão de costumes por várias terras, congregou dois mosteiros em Fontevrault, um para homens e outro para mulheres, sob a direcção de uma abadessa.

(† 1116)


7. Em Lucca, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Avertano, peregrino e religioso da Ordem dos Carmelitas.

(† c. 1386)


8*. Em Puebla de los Ángeles, no México, o Beato Sebastião Aparício, um pastor de ovelhas que emigrou da Espanha para o México, onde ganhou fortuna que aplicou no auxílio aos indigentes e, depois de ter enviuvado duas vezes, foi recebido na Ordem dos Frades Menores e morreu quase centenário.

(† 1600)


9*. Em Láuria, na Lucânia, hoje na Basilicata, região da Itália, o Beato Domingos Lentíni, presbítero, que na sua terra desempenhou até à morte um frutuoso e multiforme ministério, sustentado numa vida de humildade, oração e penitência.

(† 1828)


10♦. Em Osaka, no Japão, o Beato Diogo Yuki Ryosetsu, presbítero da Companhia de Jesus e mártir.

(† 1636)


11*. Em Medina, localidade da ilha de Malta, a Beata Maria Adeodata (Teresa) Pisáni, virgem da Ordem de São Bento, que foi abadessa do mosteiro de São Pedro e, dispondo com harmonia as horas e os tempos, exerceu sabiamente o seu ofício, cuidando dos pobres e dos abandonados e contribuindo com isso para proveito espiritual da própria comunidade.

(† 1855)


12. Em Xilinxian, cidade do Guangxi, província da China, São Lourenço Bai Xiaoman, mártir, operário e neófito, que preferiu ser flagelado e degolado a negar a Cristo.

(† 1856)


13♦. Em Toledo, na Espanha, o Beato Ciríaco Maria Sancha y Hervás, bispo e fundador da Congregação das Irmãs da Caridade do Cardeal Sancha.

(† 1909)


14. Em Tequila, localidade do território de Guadalajara, no México, São Turíbio Romo, presbítero e mártir, que, durante a perseguição religiosa, foi morto em ódio ao sacerdócio.

(† 1928)


15. Nas margens do rio Beijiang, perto da cidade de Schaoguan, na província de Guandong, na China, os santos mártires Luís Versíglia, bispo, e Calisto Caravário, presbítero da Sociedade Salesiana, que sofreram o martírio por ter dado assistência cristã aos fiéis que lhes estavam confiados.

(Mais texto depois, se quiser conhecer melhor)

(† 1930)


16♦. Em La Plata, cidade da Argentina, a Beata Maria Ludovica (Antonina De Angelis), virgem da Congregação das Filhas de Nossa Senhora da Misericórdia, que se dedicou com espírito materno ao cuidado e formação das crianças e dos enfermos e pela sua diligente atenção aos necessitados num hospital se mostrou como um sinal da benignidade de Deus.

(† 1962)




Santos Luís Versiglia e Calisto Caravario, santos salesianos


Origens

Missionários na China, os santos mártires Luís Versiglia, bispo, e Calisto Caravario, presbítero da Sociedade Salesiana, sofreram o martírio por terem dado assistência cristã aos fiéis que lhes estavam confiados nos anos de 1930.


São Luís Versiglia São Luís Versiglia nasceu, dia 5 de junho de 1873, em Oliva Gessi, na província de Pavia, na Itália. Aos doze anos, foi recebido por Dom Bosco em Valdocco. Foi noviço modelo aos 16 anos. Emitiu os votos religiosos na Congregação Salesiana a 11 de outubro de 1889. Foi responsável pela primeira expedição salesiana à China em 1906. Em Macau, transformou um pequeno orfanato numa moderna escola profissional para órfãos. Foi sagrado Bispo em Cantão em 1921.

São Calisto Caravario

São Calisto Caravario nasceu, dia 13 de julho de 1842, em Canavesse (Itália), em 1903. Foi chamado pelo ideal do sacerdócio, que amadureceu no ambiente salesiano de Turim. No dia 19 de setembro de 1919, pronunciou os votos religiosos na congregação de Dom Bosco. Em 1922, conheceu D. Luís Versiglia, de passagem por Turim, ao qual revelou: “Hei de segui-lo na China”.


Amizade de Fé: Luís Versiglia e Calisto Caravario


Missão na China Na missão na China, São Calisto Caravario, em uma recente comunidade cristã, demonstrou diversas qualidades de zelo e virtudes sacerdotais. Seis meses se passaram desde sua chegada quando soube que São Luís Versiglia viria em visita pastoral à sua comunidade. Ele imediatamente foi a Shiu-chow para acompanhá-lo até lá. Dois professores se juntaram a eles na viagem, um professor e um catequista da missão.


Resultados da Missão Prestaram assistência incansavelmente aos cristãos e às almas a eles confiadas. Converteram multidões com grande zelo pastoral.


Páscoa Os santos Luís Versiglia e Calisto Caravario, os missionários salesianos, foram martirizados, no dia 25 de fevereiro de 1930, por testemunharem, com a sua vida, a fé em Cristo e na Igreja Católica.


Via de Santificação Os dois mártires foram beatificados em 15 de maio de 1983 por João Paulo II, e canonizados por ele em 1 de outubro de 2000 junto com outros 118 mártires da China.


Minha oração “Pelo exemplar martírio desses membros da Igreja, coragem e desapego de si, pedimos ao Senhor o amor pela evangelização das nações e dos povos. Que a Providência se encaminhe de nos levar aonde existe a necessidade do Evangelho. Amém.”


Santos Luís Versiglia e Calisto Caravario, rogai por nós!

Fonte: Canção Nova

Commentaires


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page