top of page
  • Sérgio Fadul / Arautos do Evangelho

Santa Luisa de Marillac


Menina adotada

Nasceu no dia 12 de agosto de 1591, na França. Provavelmente foi adotada, sendo registrada como filha natural de Luis 1º de Marillac, cavaleiro e Senhor de Ferriéres-em-Brie e comandante de uma companhia do rei. Em 1595 o pai coloca Luiza em uma pensão do Mosteiro Real de Saint-Louis de Poissy, das freiras dominicanas.


Formação desde a infância

Com as freiras dominicanas começa seu aprendizado: ler, escrever, conhecer a Deus. As freiras dominicanas lhe dão uma sólida formação humana. Quando Luis de Marillac morre, seu tutor passa a ser Miguel de Marillac, (chanceler da França). Este coloca Luiza em um lar para meninas em Paris. Nessa época ela começa a frequentar as freiras capuchinhas, Filhas da Cruz. Ali ela faz votos de servir a Deus e aos pobres. Ela sentia que esta era sua verdadeira vocação e o que mais desejava.


Casamento

Miguel de Marillac, porém, decide casá-la com um secretário dos comandantes da Rainha Mãe, Maria de Médicis. Assim, em fevereiro de 1613, Luiza se casa com Antonio Le Gras e passa a ser chamada de "mademoiselle", título reservado às esposas de nobres da França. Luiza não queria se casar. Na verdade, foi privada, a princípio, de realizar sua vocação, o que lhe causou vários sofrimentos. Mesmo assim, Deus abençoou e tiveram um filho, Miguel. O menino, porém, ficou muito doente e ela entrou em depressão por causa disso.


Luz de Pentecostes

Num dia de Pentecostes Luiza recebeu uma graça do Espírito Santo: seu espírito foi iluminado e suas dores e tristezas desapareceram. Ela compreendeu que deveria ficar com seu marido e cuidar dele até quando ele morresse. Deveria também cuidar de seu filho até o tempo de leva-lo para as pensões dos filhos dos nobres, onde ele seria bem cuidado e educado. Depois disso, ela teria o tempo para cumprir sua vocação de ajudar os mais necessitados. Luiza sentiu também que encontraria um novo diretor espiritual, o que aconteceu em 1625 quando ela encontra o Padre Vicente de Paulo, (futuro São Vicente). Este criou as Confrarias da Caridade e estabeleceu a Congregação da Missão, denominada de Lazaristas.


As profecias começam a se cumprir

Após ficar viúva, Luiza de Marillac coloca seu filho Miguel em uma pensão em Saint- Nicolas, como era costume na época. Os filhos dos nobres eram colocados nessas pensões, onde eram muito bem cuidados e educados. Isso tranquilizou o coração de Luiza.


São Vicente de Paulo e Luisa de Marillac

Depois, Luiza vai trabalhar com São Vicente de Paulo, nas Damas da Caridade (obra fundada por São Vicente), ajudando diretamente aos pobres. São Vicente nomeou Luisa como inspetora das casas de caridade. Em março de 1634, com a ajuda e permissão do Padre Vicente, Luisa e mais quatro amigas fundam a Companhia das Filhas da Caridade. Em 1655 ela conseguiu a aprovação da congregação com o Papa.


Fundação de hospitais: organização das obras de amor ao próximo

Luisa e o Padre Vicente começam a fazer muita coisa: ajudam as crianças abandonadas, dão socorro às vítimas da guerra dos 30 anos, cuidam de doentes mentais, participam da criação do hospital do Santo Nome de Jesus e do Hospital Geral de Paris.


A Obra de amor se expande

São Vicente, então, escreve a regra para as casas da caridade. Eram as "irmãs não enclausuradas, as moças ao ar livre; seu véu era a santa humildade; seu mosteiro a casa do doente; por cela um quarto de aluguel; por claustro as ruas das cidades". Com essas palavras de São Vicente e com sua ajuda, Luisa de Marillac funda várias casas das Irmãs de Caridade em várias cidades da França e também da Polônia, a pedido da Rainha Maria Gonzaga. Em 1652, quando a "peste" assolou a cidade de Paris, Santa Luisa e suas irmãs tiveram grande trabalho para ajudar os doentes, de tal forma que não pararam um só momento.


Últimos momentos

No ano de 1660 Luiza de Marillac sentia que seu fim estava se aproximando e queria ser assistida por São Vicente. Seu desejo, porém, não aconteceu pois ele com 85 anos também estava muito doente. Ele apenas conseguiu enviar a ela uma bênção, dizendo: "madame, ides antes de mim, espero em breve, rever-nos no céu." São Vicente sabia que Luiza santificou-se ajudando aos pobres e necessitados, enxergando neles a pessoa de Jesus Cristo. Por isso, ela certamente iria para o céu.


Morte de Santa Luisa

Santa Luiza recebeu a comunhão e deu uma benção para as irmãs de caridade dizendo:

"Queridas irmãs, continuo pedindo a benção de Deus para vós e a graça de perseverardes na vocação. Cuidai bastante do serviço dos pobres e vivei em grande união e cordialidade, amando umas às outras, a fim de imitardes a união de vida de Nosso Senhor. E rogai com fervor à Santíssima Virgem, para que ela seja nossa única Mãe." Ela recebeu a unção dos enfermos na hora de sua morte, pediu para fechar as cortinas e, pouco tempo depois, suavemente, faleceu. A seu pedido, teve um funeral foi muito simples, tendo sido sepultada na igreja de Saint-Lourent.


Canonização

Santa Luisa de Marillac foi beatificada pelo Papa Bento XV, em 9 de maio de 1920. Foi canonizada pelo Papa Pio Xl, no dia 11 de março de 1934. Foi declarada patrona das Obras Sociais em 1960 pelo Papa Bem-aventurado João XXIII. Seu corpo foi transferido para a capela da Casa Mãe das Filhas da Caridade, em Paris, França. Sua festa é no dia 15 de março. No Brasil existe uma cidade em Minas Gerais, chamada Marillac, em homenagem à Santa que é a sua padroeira.


Oração

Santa Luisa de Marillac, que tanto conhecestes os sofrimentos das imposições da família, privando-vos da liberdade de viver vossa verdadeira vocação para fazer-vos casar-se. Tu, que sofrestes as amarguras das dificuldades em todos os sentidos, intercedei junto a Deus para que os pais de nossos jovens saibam respeitar a vocação que cada um traz dentro de si, dentro da dignidade e do direito que Deus lhe confere. Santa Luisa de Marillac, que fostes agraciada com a amizade de dois famosos sacerdotes, pela santidade que viveram, São Francisco de Sales e São Vicente de Paulo, os quais, nos momentos mais importantes de vossa vida, apontaram-vos uma grande luz quando vos sentíeis no "fim do túnel", e pudestes viver vossa vocação de auxiliadora dos infelizes pobres e doentes, e fundastes com São Vicente de Paulo o primeiro núcleo das Filhas da Caridade, rogai por nós, para que não vivamos uma vida centrados em nós mesmos e sim nas necessidades tão prementes de nossos irmãos que sofrem. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.



MARTIROLÓGIO ROMANO

15/03


1. Em Pário, no Helesponto, na atual Turquia, São Menigno, pisoeiro, que, segundo a tradição, sofreu o martírio no tempo do imperador Décio.

(† c. 250)


2. Em Roma, São Zacarias, papa, que susteve a veemência da invasão dos Lombardos, indicou aos Francos o justo governo, dotou de igrejas os povos da Germânia e assegurou a união com a Igreja Oriental, governando a Igreja de Deus com grande sabedoria e prudência.

(† 752)


3. Em Córdova, cidade da Andaluzia, região da Espanha, Santa Leocrícia, virgem e mártir, descendente de família moura, que aderiu secretamente à fé de Cristo e, tendo sido presa com Santo Eulógio, quatro dias depois do martírio deste santo foi degolada e emigrou para a glória eterna.

(† 859)


4*. Perto de Burgos, cidade de Castela, também região da Espanha, São Sisebuto, abade de São Pedro de Cardeña.

(† 1086)


5. Em York, na Inglaterra, o Beato Guilherme Hart, presbítero e mártir, que, ordenado no Colégio Inglês de Roma, regressou à pátria e, no reinado de Isabel I, por ter persuadido algumas pessoas a abraçar a fé católica, foi enforcado e estripado.

(† 1583)


6. Em Paris, na França, Santa Luísa de Marillac, viúva, que orientou com o seu exemplo o Instituto das Filhas da Caridade na assistência aos indigentes, dando realização perfeita à obra delineada por São Vicente de Paulo.

(† 1660)


7. Em Viena, na Áustria, São Clemente Maria Hofbauer, presbítero da Congregação do Santíssimo Redentor, que trabalhou admiravelmente na propagação da fé em terras longínquas e na reforma da disciplina eclesiástica e, pelos seus dotes excepcionais de talento e virtudes, persuadiu muitas pessoas insignes nas ciências e nas artes a aderirem à Igreja.

(† 1820)


8♦. Em Madrid, na Espanha, o Beato Pio Conde Conde, presbítero da Sociedade Salesiana e mártir, que durante a perseguição religiosa, foi fuzilado em ódio ao sacerdócio.

(† 1936)


9*. Em Przemysl, na Polónia, o Beato João Adalberto Balicki, presbítero, que exerceu diversas atividades apostólicas em favor de todo o povo de Deus, empenhando-se particularmente no anúncio do Evangelho e na assistência às jovens errantes.

(† 1948)


10*. Em Viedma, na Argentina, o Beato Artémides Zátti, religioso da Sociedade de São Francisco de Sales, que, animado pelo seu grande zelo missionário, partiu para as inóspitas terras da Patagónia e passou toda a sua vida no hospital desta cidade, acudindo com incansável magnanimidade, paciência e humildade às necessidades dos indigentes.

(† 1951)

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page