top of page
  • Sérgio Fadul / Cruz Terra Santa

São Clemente I


Origens


Clemente foi o terceiro sucessor imediato do Apóstolo São Pedro no comando da Igreja em Roma. Santo Irineu escreveu sobre ele no ano 180: “Ele viu os apóstolos e conversou com eles, ouviu a voz da pregação deles e teve a tradição deles diante dos olhos”. Santo Ireneu também nos informa que o Papa Clemente é o autor de uma carta muito importante, que foi escrita pela Igreja de Roma à Igreja da cidade de Corinto.


Contemporâneo dos grandes apóstolos


Irineu viveu em Roma e, como vimos, conviveu com alguns apóstolos. Dentre eles, São João Evangelista, São Filipe, também um dos doze, e São Paulo. Clemente foi um dos colaboradores de são Filipe. Ele foi também discípulo de São Paulo. Paulo até cita o nome de Clemente na carta aos Filipenses: "E a ti, fiel Sínzigo, também rogo que as ajudes, pois que trabalharam comigo no Evangelho, com Clemente e com os demais colaboradores meus, cujos nomes estão inscritos no livro da vida". (Fl 4,3)


Um nobre romano


A Tradição cristã apresenta o papa São Clemente I como sendo filho de um senador chamado Faustino. Este era da família Flávia, que, por sua vez, era parente do imperador romano chamado Domiciano. São Clemente I foi Papa uma época bastante difícil, cheia de perseguições contra os seguidores de Jesus Cristo.


Papado


São Clemente I governou a Igreja entre os anos 88 e 97. Foi um Papa que levou adiante o anúncio do Evangelho firmemente centrado na fidelidade à doutrina de Jesus Cristo. Enfrentou com sabedoria divisões internas na Igreja. Em sua famosa carta enviada aos coríntios, ele revela seu espírito de unidade e amor à Igreja. Os coríntios, com efeito, recusavam-se a seguir a Igreja de Roma e tinham a intenção de se desligarem da unidade. Através de sua carta, que, a princípio, teve sua autoria anônima, Clemente I incentivou-os à perseverança na fé e no amor ensinado por Jesus Cristo, e, também, a que eles participassem da união com a única Igreja deixada por Ele.


Legado


O Papa São Clemente I restabeleceu o uso do crisma na Igreja, dando seguimento à Tradição deixada Por São Pedro. Foi ele quem instituiu o uso litúrgico da expressão "amém", cujo significado é “assim seja, ou confirmo”, nos ritos religiosos. Seu exemplo de vida e fé arrastava corações. Ele converteu até mesmo a uma irmã do imperador Domiciano chamada Domitila. Domiciano, como vimos, também era parente de Clemente. A conversão de Domitila ajudou bastante na suavização da sangrenta perseguição que acontecia no império contra os cristãos.


Irritando o imperador


O papa São Clemente I colaborou bastante na expansão do cristianismo no império romano. Isso incomodou o sucessor de Domiciano, o imperador Nerva. Por isso, Nerva exilou Clemente na Criméia. Por causa deste exílio, Evaristo assumiu o comando da Igreja em Roma. Enquanto isso, no exílio, São Clemente I teve a oportunidade providencial de encontrar milhares de cristãos que tinham sido condenados a trabalhos forçados nas abundantes minas de pedra da região. Assim, o exílio foi providencial para que São Clemente encorajasse os fiéis a perseverarem na fé e convertesse também a muitos pagãos.


Martírio


O sucesso da evangelização de São Clemente I no exílio irritou bastante o novo imperador romano, chamado Trajano. Por isso, este ordenou que Clemente I fosse obrigado a prestar sacrifícios aos deuses romanos. Clemente I, porém, negou-se, afirmando categoricamente só existe um único Deus, a quem ele já servia. Trajano, então, ordenou que São Clemente I fosse atirado ao mar Negro, tendo uma pesada âncora atada ao seu pescoço. Mesmo assim, milagrosamente, a corda se retraiu e entregou o corpo de São Clemente aos cristãos, para que fosse sepultado dignamente e venerado pelos fiéis. Era o dia 23 de novembro do ano 101.


“Deus de toda carne, que dais a morte e a vida, que abateis a insolência dos orgulhosos e frustrais as maquinações dos povos, vinde em nosso auxílio, ó Mestre. Matai a fome dos indigentes e libertai aqueles que entre nós sucumbiram. Deus bom e misericordioso, esquecei nossos pecados, erros e quedas; não leveis em conta as faltas dos vossos servos e servas. Dai-nos a concórdia e a paz, não só para nós, mas também para todos os habitantes da terra.


É de vós que os nossos príncipes e os que no mundo nos governam recebem o poder: dai-lhes saúde, paz, concórdia e estabilidade; dirigi os seus propósitos pela senda do bem. Só vós podeis fazer tudo isso e conceder-nos ainda maiores benefícios. Nós o proclamamos em nome do sumo sacerdote das nossas almas, Jesus Cristo, por quem vos seja dada honra e glória, agora e por todos os séculos dos séculos. Amém.”



MARTIROLÓGIO ROMANO

23/11


1. São Clemente I, papa e mártir, o terceiro sucessor do apóstolo São Pedro, que presidiu à Igreja Romana e escreveu uma insigne carta aos Coríntios para fortalecer entre eles a paz e a concórdia. Neste dia comemora-se o sepultamento do seu corpo em Roma.

(† s. I)

2. São Columbano, abade, natural da Irlanda, que por Cristo se fez peregrino para evangelizar os povos das Gálias; fundou, além de muitos outros, o mosteiro de Luxeuil, que ele próprio dirigiu com estrita observância da regra; obrigado a exilar-se, atravessou os Alpes e erigiu o cenóbio de Bóbbio, na Ligúria, hoje Emília-Romanha, célebre pela sua disciplina e ciência, onde adormeceu em paz, cheio de méritos em benefício da Igreja; o seu corpo recebeu sepultura neste dia.

(† 615)


3. Em Roma, no cemitério de Máximo, junto à Via Salária Nova, Santa Felicidade, mártir.

(† data inc.)


4. Em Chiúsi, na Etrúria, na atual Toscana, região da Itália, Santa Mustíola, mártir.

(† data inc.)


5. Em Cízico, no Helesponto, na hodierna Turquia, São Sisínio, bispo e mártir, que, segundo a tradição, depois de muitos tormentos, morreu ao fio da espada na perseguição do imperador Diocleciano.

(† s. IV)


6*. Em Metz, na Gália Bélgica, atualmente na França, a comemoração de São Clemente, considerado o primeiro bispo desta cidade.

(† c. s. IV)


7. Em Mérida, cidade da antiga Lusitânia, agora na Espanha, Santa Lucrécia, mártir.

(† c. s. IV)


8. Em Icónio, na Licaónia, hoje Kónya, na Turquia, Santo Anfilóquio, bispo, que foi companheiro dos santos Basílio e Gregório de Nazianzo no ermo e também colega no episcopado; eminente pela sua santidade e doutrina, travou muitos combates em favor da fé católica.

(† a. 403)


9. Em Paris, na Gália Lionense, na atual França, São Severino, que, recluído numa cela, se consagrou à divina contemplação.

(† s. VI)


10. Em Agrigento, na Sicília, região da Itália, São Gregório, bispo, que parece ter escrito comentários à Sagrada Escritura para explicar aos incultos os mistérios da salvação.

(† d. 603)


11. Em Sint-Truiden, localidade que depois tomou o seu nome, no Brabante da Austrásia, hoje na Bélgica, São Trudão, presbítero, que deu todos os seus bens à Igreja de Metz e aí edificou um mosteiro, onde reuniu os seus discípulos.

(† c. 690)


12*. Em Alba, no Piemonte, região da Itália, Beata Margarida de Sabóia, que, ao ficar viúva, se consagrou a Deus no mosteiro de religiosas da Ordem dos Pregadores por ela mesma fundado.

(† 1464)


13. Em Seul, na Coreia, Santa Cecília Yu So-sa, mártir, que, sendo viúva, em ódio à fé cristã foi privada dos seus bens, encarcerada e doze vezes sujeita a interrogatórios; finalmente, exausta pelo suplício dos espancamentos, morreu quase octogenária.

(† 1839)


14*. Em Guadalupe, povoação do estado de Zacatecas, no México, o Beato Miguel Agostinho Pró, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que na cruel perseguição contra a Igreja, condenado à morte sem julgamento como criminoso, consumou o martírio que ardentemente desejava.

(† 1927)


15*. Em Madrid, na Espanha, a beata Maria Felicidade Cendoya y Araquistain (Maria Cecília), virgem da Ordem da Visitação de Santa Maria e mártir, que, na grande perseguição religiosa, ao ver que as suas irmãs tinham sido encarceradas, se entregou espontaneamente na mesma noite aos milicianos e, com elas, confirmou o testemunho da fé com o supremo sacrifício da sua vida.

(† 1936)


16♦. Em Milão, cidade da Itália, a Beata Henriqueta Alfiéri (Maria Ângela Doménica Alfiéri), virgem das Irmãs da Caridade de Santa Joana Antida Thouret, que exerceu heroicamente até ao fim da sua vida o apostolado na assistência aos encarcerados.

(† 1951)

53 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page