top of page
  • Sérgio Fadul / Canção Nova

Protomártires da Igreja de Roma



A atual celebração introduzida pelo novo calendário romano universal se refere aos protomártires da Igreja de Roma, vítimas da perseguição de Nero, em seguida ao incêndio de Roma, ocorrido a 19 de julho de 64. Por que Nero perseguiu os cristãos? Diz-nos Cornélio Tácito no XV livro dos Anais: “Como circulavam vozes que o incêndio de Roma tivesse sido fraudulento, Nero apresentou como culpados, punindo-os com penas excepcionais, os que, odiados por suas abominações, eram chamados pelo vulgo cristãos”.


Nos tempos de Nero, em Roma, ao lado da comunidade judaica, vivia a pequena e pacífica comunidade dos cristãos. Sobre estes, pouco conhecidos, circulavam notícias caluniosas. Nero descarregou sobre eles, condenando-os a cruéis sacrifícios, as acusações feitas a ele. Por outro lado as ideias professadas pelos cristãos eram desafio aberto aos deuses pagãos, ciumentos e vingativos. “Os pagãos — lembrará mais tarde o escritor Tertuliano — atribuem aos cristãos toda sorte de calamidade pública, todo flagelo. Se as águas do Tibre saem do leito e invadem a cidade, se ao contrário as águas do Nilo não crescem para inundar os campos, se houver seca, carestia, peste, terremoto, é tudo culpa dos cristãos, que desprezam os deuses, e de todos os lados se grita: os cristãos aos leões!”


Nero teve a responsabilidade de haver dado início à absurda hostilidade do povo romano, que na verdade era muito tolerante em matéria de religião, em relação aos cristãos: a ferocidade com a qual atingiu os presumíveis incendiários não encontra justificação nem no supremo interesse do império. Episódios horrendos como os das tochas humanas, cobertas de piche e incendiadas nos jardins da colina Oppio, ou como o de mulheres e crianças vestidas com peles de animais e abandonadas à mercê dos animais ferozes no circo, foram tais que chegaram a produzir sentimento de piedade e de horror no povo romano. “Então — escreve ainda Tácito — manifestou-se um sentimento de piedade, ainda que se tratasse de gente merecedora dos mais exemplares castigos, porque se via que eram eliminados não pelo bem público, mas para satisfazer a crueldade de um indivíduo”, Nero. A perseguição não se limitou àquele verão fatal de 64, mas se prolongou até 67.


Entre os mais ilustres mártires está o príncipe dos apóstolos, crucificado no circo de Nero, onde surgiu a basílica de são Pedro, e o apóstolo dos gentios, são Paulo, decapitado nas Águas Salvianas e sepultado na via Ostiense. Após a festividade conjunta dos dois apóstolos, o novo calendário quis justamente celebrar a memória dos numerosos mártires que não tiveram um lugar especial na liturgia.


Protomártires da Igreja de Roma, rogai por nós!



MARTIROLÓGIO ROMANO

30/06


1. Os santos protomártires da Santa Igreja Romana, que, acusados de provocar o incêndio da Urbe, por ordem do imperador Nero foram cruelmente mortos com vários suplícios: uns foram expostos aos cães cobertos com peles de animais e por eles devorados; outros crucificados e outros lançados ao fogo, para que, ao declinar o dia, servissem de lâmpadas nocturnas. Todos eles eram discípulos dos Apóstolos e primícias dos mártires que a Igreja Romana ofereceu ao Senhor.

(† 64)


2. Em Alexandria, no Egito, São Basílides, que, no tempo do imperador Septímio Severo, tendo procurado proteger dos insultos de homens impudicos a virgem Santa Potamiena que ele conduzia ao suplício, recebeu dela a recompensa deste piedoso ofício: graças às suas preces, converteu-se a Cristo e, após um breve combate, também ele foi mártir glorioso.

(† c. 202)


3. Em Limoges, na Aquitânia, território da atual França, São Marcial, bispo.

(† c. 250)


4*. Em Le Mans, na Nêustria, hoje na França, São Bertrano ou Berticrano, bispo, pastor pacífico e dedicado aos pobres e aos monges.

(† c. 623)


5*. Em Salzburgo, na Baviera, atualmente na Áustria, Santa Erentrudes, primeira abadessa do mosteiro de Nonnberg e sobrinha de São Ruperto, a quem ajudou na evangelização com obras e orações.

(† c. 718)


6. Em Salanigo, perto de Vicenza, na Itália, São Teobaldo, presbítero e eremita, que, nascido dos condes de Champagne, nobres da França, juntamente com seu amigo Gualter, por amor de Cristo renunciou às honras e riquezas e preferiu as peregrinações, a pobreza e a solidão.

(† 1066)


7. Em Nyitra, junto ao rio Vag, nos montes Cárpatos, na atual Eslováquia, o passamento de São Ladislau, rei da Hungria, que restabeleceu no seu reino as leis cristãs introduzidas por Santo Estêvão, reformando os costumes e dando ele próprio exemplo de grande virtude. Na Croácia, unida ao reino húngaro, trabalhou intensamente para a propagação da fé cristã e estabeleceu a sede episcopal de Zagreb. Morreu quando se preparava para a guerra com os Boémios e o seu corpo foi depois sepultado em Oradea, na Transilvânia, região da actual Roménia.

(† 1095)


8. Em Bamberg, na Francónia, na hodierna Alemanha, Santo Otão, bispo, que evangelizou com grande zelo os Pomeranos.

(† 1139)


9*. Em Osnabrück, na Saxónia, também na atual Alemanha, Santo Adolfo, bispo, que acolheu no mosteiro de Altencamp a observância cisterciense.

(† 1224)


10*. Em Londres, na Inglaterra, o Beato Filipe Powell, presbítero da Ordem de São Bento e mártir, natural do País de Gales, que, no reinado de Carlos I, capturado num barco que se dirigia para a Inglaterra, por ser sacerdote foi conduzido ao patíbulo de Tyburn.

(† 1646)


11*. Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, o Beato Januário Maria Sarnélli, presbítero da Congregação do Santíssimo Redentor, que se dedicou ardorosamente à assistência de todo o género de necessitados.

(† 1744)


12. Em Hai Duong, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, São Vicente Do Yen, presbítero da Ordem dos Pregadores e mártir, que, no tempo do imperador Minh Mang, morreu degolado em ódio à fé cristã.

(† 1838)


13. No território de Chendun, junto de Jiaohe, no Hebei, província da China, os santos Raimundo Li Quanzhen e Pedro Li Quanhui, mártires, que, sendo irmãos, durante a perseguição movida pelos sequazes da seita «Yihetuan» deram glorioso testemunho de Cristo: um deles, conduzido ao templo dos gentios, recusou prestar culto aos falsos deuses e morreu flagelado; o outro foi assassinado com semelhante crueldade.

(† 1900)


14*. Em L’viv, na Ucrânia, a comemoração do Beato Zenão Kovalyk, presbítero da Congregação do Santíssimo Redentor e mártir, que, no tempo dum regime hostil a Deus, em dia incerto deste mês mereceu receber a coroa de glória.

(† 1941)


15*. Em Winnipeg, na província de Minitoba, no Canadá, o Beato Basílio Velyckovskyj, bispo da Igreja greco-católica da Ucrânia, que, por exercer clandestinamente o ministério entre os cristãos católicos do Rito Bizantino, foi cruelmente atormentado na sua pátria pelos perseguidores da fé e, associado ao sacrifício de Cristo, morreu no exílio.

(† 1973)



67 visualizações

Comentários


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page