top of page
  • Sérgio Fadul - Filhos da Paixão

Santo Adriano de Nicomédia

Atualizado: 14 de set. de 2023



O martirológio Romano comemora, hoje, entre outros santos, alguns dos tantos mártires da terrível perseguição do imperador Diocleciano, no início do século IV. Tiramos da história eclesiástica uma página que nos relata o martírio de Santo Adriano: é uma página que comove até às lágrimas.


Adriano era chefe dos guardas do imperador Galério; estava casado havia 13 meses. Um dia, assistindo em Nicomédia ao processo de 22 mártires, revoltado com a injustiça do processo e, doutra parte, comovido pela firmeza das respostas dos cristãos, pelo ardor com que falavam do céu, pala fortaleza com que suportavam as torturas, lançou-se, improvisadamente, entre os cristãos, gritando: “Acrescentai também o meu nome a estes heróis mártires, pois também eu me declaro cristão”.


Foi levado para a cadeia com os colegas do martírio, que o batizaram. Um escravo de Adriano, que tinha assistido à cena, correu depressa a avisar a esposa de Adriano, Natália, que, secretamente, havia tempo era cristã. A notícia encheu-a de júbilo e, invadida de nova ternura, voa para a cadeia beijar as algemas do marido, exortando-a à constância. Ao deixá-la, Adriano lhe disse: “Minha querida esposa, prometo avisar-te quando chegar minha hora de julgamento e de martírio”.


Natália, após Ter recomendado seu Adriano aos presos, volta para casa, cheia de alegria. Poucos dias depois, Adriano ficou ciente do processo e obteve do carcereiro a licença de correr até sua casa e avisar Natália.


Esta, vendo-o chegar, receando que tivesse comprado a liberdade com a apostasia, desatou em choro, recusando-se a recebê-lo. Adriano lhe garante: “Abre-me, abre-me, querida, estou aqui só para te avisar que chegou a hora do meu julgamento e martírio, a fim de que assistas ao meu processo. Abre-me ligeiro, pois os momentos são contados”.


Natália, convencida por estas palavras, abriu a porta e se atirou de joelhos frente ao marido, vencida por um sentimento de veneração. Encaminharam-se, depois, em direção à cadeia. Natália ficou lá sete dias, curando as feridas dos mártires, que pingavam sangue depois das torturas.


Finalmente, eis Adriano perante o tribunal do imperador. Natália o segue. Começam as torturas. Ela, então, corre a avisar os colegas do martírio para que rezem pela perseverança de Adriano e volta a encorajar o marido. Este é novamente encarcerado. Natália consegue penetrar na cadeia a fim de prestar assistência aos mártires, mas, pelo fato de haver várias mulheres a cumprir este piedoso ofício, o imperador proíbe, terminantemente, esta caridade, exigindo que saiam.


Natália, conseguindo iludir a vigilância, corta os cabelos, disfarça-se com aparência de homem e fica dando assistência aos mártires. Pede então ao marido: “Adriano, peço-te, meu senhor e esposo, não te esqueças de mim que te preparei ao combate e te confortei nas dores. Como prêmio de minha fidelidade, rogo-te que me permitas morrer contigo. Sabes quanto é cruel o imperador: receio que, depois de tua morte, ele me obrigue a casar com algum oficial pagão; então o nosso tálamo seria profanado”.


O temor de Natália verificou-se. Depois da morte de Adriano, queimado vivo junto com outros 22 cristãos, Natália foi pedida como esposa por um general do imperador. Ela pediu uns trinta dias para refletir. Fechou-se em seu quarto, rezando: “Ó Senhor, olhai para vossa serva e não queirais que seja entregue a um pagão, profanando o lar do vosso mártir Adriano”.


Fugiu em seguida com outros cristãos em direção a Bizâncio. Vencida pelo cansaço e pela fome, caiu no chão e adormeceu. Viu, numa visão, Adriano na glória e que vinha buscá-la. Pouco depois adormeceu no Senhor!


Estes são os santos mártires, nossos irmãos que nos precedem na fé.


Santo Adriano de Nicomédia, rogai por nós!



MARTIROLÓGIO ROMANO

08/set


1. Festa da Natividade da Virgem Santa Maria, da descendência de Abraão, nascida da tribo de Judá, da linhagem régia de David, da qual nasceu o Filho de Deus, feito homem por virtude do Espírito Santo, para libertar os homens da antiga escravidão do pecado.

2. Em Roma, a comemoração de Santo Adrião, mártir, que padeceu o martírio em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, em cuja honra o papa Honório I converteu em igreja a Cúria do Senado Romano.

(† data inc.)


3. Em Alexandria, no Egipto, os santos Fausto, Dio e Amónio, presbíteros e mártires, que, na perseguição do imperador Diocleciano, receberam a coroa do martírio juntamente com o bispo São Pedro.

(† c. 311)


4. Em Bagrevand, cidade da antiga Arménia, Santo Isaac, bispo, que, para fortalecer a vida cristã do povo, traduziu a Sagrada Escritura e a Liturgia para a língua armena; aderiu à fé professada no Concílio de Éfeso, mas em seguida foi afastado da sua sede episcopal e morreu no exílio.

(† 438)


5. Em Roma, junto de São Pedro, o sepultamento de São Sérgio I, papa, de origem síria, que se dedicou intensamente à evangelização dos Saxões e dos Frisões e resolveu sabiamente muitas controvérsias e conflitos, preferindo morrer a consentir os erros.

(† 701)


6. Em Frísinga, cidade da Baviera, na atual Alemanha, São Corbiniano, que, tendo sido ordenado bispo e enviado a pregar o Evangelho na Baviera, produziu frutos abundantes.

(† 725)


7*. Em Pébrac, no território de Le Puy-en-Velay, na França, São Pedro de Chavanon, presbítero, que, aspirando a uma vida mais perfeita, se retirou para este local recôndito, onde edificou e dirigiu um cenóbio de cónegos regrantes.

(† c. 1080)


8*. Em Pêsaro, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, a Beata Serafina Sforza, que na vida conjugal suportou muitas adversidades e, quando ficou viúva, passou humildemente o resto dos seus anos sob a regra de Santa Clara.

(† 1478)


9. Em Valência, na Espanha, São Tomás de Vilanova, bispo, que, sendo eremita sob a regra de Santo Agostinho, aceitou por obediência o ministério episcopal, onde se distinguiu, entre outras virtudes pastorais, pelo seu ardente amor aos pobres, até ao ponto de dar tudo aos necessitados, sem ficar sequer com um pequeno leito para si.

(† 1555)


10*. Em Durham, na Inglaterra, os beatos mártires Tomás Palaser, presbítero, João Norton e João Talbot, que foram condenados à morte no reinado de Isabel I – o primeiro por ter entrado na Inglaterra como sacerdote, os outros por lhe terem prestado auxílio – e sofreram o suplício do patíbulo.

(† 1600)


11. Em Cartagena, na Colômbia, o dia natal de São Pedro Claver, presbítero da Companhia de Jesus, cuja memória se celebra amanhã.

(† 1654)


12*. Em Nagasáki, no Japão, os beatos António de São Boaventura, da Ordem dos Frades Menores, Domingos Castellet, da Ordem dos Pregadores, presbíteros, e vinte companheiros[1], mártires, entre os quais alguns leigos e muitas crianças, que, passados ao fio da espada ou lançados à fogueira, todos sofreram o martírio por Cristo.



Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page