top of page
  • Sérgio Fadul / Cruz Terra Santa

São Tomé


Origens


Tomé foi um dos doze Apóstolos escolhidos por Jesus (Mc 3, 18; Mt 10, 3) Era judeu, da Galileia e provavelmente pescador. Seu nome aparece onze vezes no Novo Testamento. Tomé ou Tomás, significa “gêmeo”. No grego, a palavra equivalente é Didymus. Isto nos faz supor que ele tinha um irmão gêmeo. Ele acompanhou Jesus como discípulo durante os três anos de vida pública do Mestre. Após a morte de Jesus, Tomé estava entre os Apóstolos que receberam o Espírito Santo no dia de Pentecostes. Depois disso, sabe-se que ele foi pregar o Evangelho na Índia.


A Dúvida de São Tomé


A memória de São Tomé está fortemente relacionada ao fato de ele ter duvidado de seus companheiros, quando estes lhe afirmaram terem visto Jesus ressuscitado (João 20, 24-29). Ele quis “ver para crer”. Neste sentido, ele representa a cada um de nós quando passamos por momentos de dúvida. Por outro lado, sua dúvida nos ajuda a entender que Deus não rejeita a necessidade de certeza, mas elogia aqueles que “creem sem terem visto”. Porém, que possamos nos inspirar também no seu testemunho de fé quando a verdade se apresenta.


Tomé no Novo Testamento


O nome de Tomé aparece onze vezes no Novo Testamento:


Mt 10,3 - Filipe e Bartolomeu. Tomé e Mateus, o publicano. Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu.


Mc 3,18 - Ele escolheu também André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu; Tadeu, Simão, o Zelador;


Lc 6,15 - Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu; Simão, chamado Zelador;


Jo 11,16 - A isso Tomé, chamado Dídimo, disse aos seus condiscípulos: Vamos também nós, para morrermos com ele.


Jo 14,5 - Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho?


Jo 20,24 - Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.


Jo 20,26 - Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco!


Jo 20,27 - Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé.


Jo 20,28 - Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus!


Jo 21,2 - Estavam juntos Simão Pedro, Tomé (chamado Dídimo), Natanael (que era de Caná da Galiléia), os filhos de Zebedeu e outros dois dos seus discípulos.


Atos 1,13 - Tendo entrado no cenáculo, subiram ao quarto de cima, onde costumavam permanecer. Eram eles: Pedro e João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelador, e Judas, irmão de Tiago.


Três passagens


O Evangelho de São João apresenta três passagens importantes onde Tomé se torna protagonista, revelando um temperamento melancólico, pessimista e para quem tudo tem que ser muito esclarecido.


A primeira delas é quando emissários de Lázaro, amigo de Jesus, pede que o mestre vá curar Lázaro que está doente. Jesus estava sendo perseguido pelos líderes judeus. Então Tomé diz: “Vamos também nós, para morrermos com ele” (Jo 11,16).


A segunda intervenção importante de Tomé, mostra, mais uma vez, seu pessimismo, mas dá a Jesus a oportunidade de fazer uma de suas revelações mais importantes: “Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho? Ao que Jesus respondeu: Eu sou o Caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.” (Jo 14,5-6)


E a terceira passagem, como vimos, foi quando Tomé duvidou da ressurreição de Jesus e quis “ver para crer” (Jo 20, 24-29). A incredulidade de São Tomé transformou-se numa das provas da ressurreição de Cristo, pois, foi atestada por um cético.


Apóstolo


Após a ressurreição de Cristo e a vinda do Espírito Santo em Pentecostes, Tomé, como todos os outros apóstolos, saiu para pregar o Evangelho onde Deus o levasse. Sabe-se que ele anunciou a Boa Nova entre os partas, os medos e os persas. A Tradição aponta também que foi ele quem levou o Evangelho pela primeira vez à Índia. Lá, foi perseguido por líderes religiosos


Missionário e mártir na Índia


Os católicos de Malabar, na Índia, cultuam São Tomé há dois mil anos. A Tradição local conservou a história de São Tomé como evangelizador daquele local. Conservam também a história de seu martírio através dos hindus, que o feriram mortalmente com lanças por causa do poder de sua pregação. Com efeito, a pregação de São Tomé converteu a muitos na região e nasceu ali uma fervorosa comunidade cristã que dura dois mil anos.


Comprovação


Documentos antiquíssimos atestavam a ida de São Tomé para a Índia e seu martírio através de lanças. Muito mais tarde, no Século XVI, quando os portugueses chegaram àquele país, descobriram a cripta onde está sepultado o corpo de São Tomé, bem como suas relíquias, um pouco de sangue coagulado e um pedaço de uma lança que o feriu de morte. São Francisco Xavier, também no Século XVI encontrou a herança cristã deixada por São Tomé na Índia.


Milagre da Tsunami


No ano de 2004 um fato mexeu com toda a região de Tamilnadu, em Chennai, no sul da Índia. Em dezembro deste ano, como foi noticiado, uma terrível tsunami devastou totalmente a região. Porém, a Igreja de São Tomé onde se conversam suas relíquias, ficou intacta. Uma tradição local conta que São Tomé fincou um poste em frente ao local onde fica a igreja, afirmando que as águas do mar jamais ultrapassariam aquela marca. O poste se conserva até hoje e fica em frente do local onde, mais tarde, construiu-se a igreja dedicada a ele. Por causa disso, alguns sacerdotes hindus da região decidiram não mais perseguir os cristãos do local.


https://melissaenderle.blogspot.com/2011/09/tsunami-miracle-at-velankanni.html

https://www.tldm.org/news7/twochurchesinindiasavedfromtsunamis.htm

Tumba de São Tomé em Chennai


Oração a São Tomé


“Ó Apóstolo São Tomé, experimentaste o desejo de querer morrer com Jesus, sentiste a dificuldade de não conhecer o Caminho, e viveste na incerteza e na obscuridade da dúvida, no dia de Páscoa. Na alegria do encontro com Jesus Ressuscitado, na comoção da fé reencontrada, num ímpeto de terno amor, exclamaste: "Meu Senhor e meu Deus!" O Espírito Santo, no dia de Pentecostes, transformou-te num corajoso missionário de Cristo, incansável peregrino do mundo, até aos extremos confins da terra. Protege a tua Igreja, a mim e à minha família e faz com que todos encontrem o Caminho, a Paz e a Alegria para anunciar, com paixão e abertamente, que Cristo é o único Salvador do Mundo, ontem, hoje e sempre. Amém.”


São Tomé, rogai por nós!



MARTIROLÓGIO ROMANO

03/07


1. Festa de São Tomé, Apóstolo, que não acreditou nos outros discípulos ao anunciarem-lhe que Jesus tinha ressuscitado; mas quando Jesus lhe mostrou o lado trespassado, exclamou: «Meu Senhor e meu Deus». Com esta fé, segundo a tradição, evangelizou os povos da Índia.

2. Em Laodiceia, hoje Lataquia, na Síria, a comemoração de Santo Anatólio, bispo, que deixou obras escritas dignas de admiração não só para os homens de fé mas também para os filósofos.

(† s. III)


3. Em Bízia, hoje Wiza, na Turquia, São Memnão centurião, mártir, que, tendo sido convertido à fé por São Severo, no tempo de Diocleciano e Maximiano foi com ele submetido a atrozes suplícios e subiu vencedor, antes dele, ao Céu.

(† c. s. III)


4. Na Mésia, território atualmente compreendido entre a Roménia e a Bulgária, a comemoração dos santos Marcos e Mociano, mártires, que, por recusarem imolar aos ídolos e confessarem veementemente o nome de Cristo, por Cristo morreram decapitados.

(† c. s. IV)


5. Em Altino, na Venécia, hoje no Véneto, região da Itália, Santo Heliodoro, bispo, que, instruído pelo ensino de São Valeriano de Aquileia, viveu na companhia de São Cromácio e de São Jerónimo e foi o primeiro a ocupar a sede episcopal desta cidade.

(† s. IV f.-V in.)


6*. Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, Santo Anatólio, bispo, que professou a fé verdadeira nas duas naturezas de Cristo expressa pelo papa São Leão Magno na carta a Flaviano e contribuiu para que fosse professada no Concílio de Calcedónia.

(† 458)


7. Em Roma, junto de São Pedro, São Leão II, papa, bom conhecedor das línguas grega e latina, amigo da pobreza e dos pobres, que confirmou os decretos do Concílio III de Constantinopla.

(† 683)


8*. Em Toulouse, junto ao rio Garonne, na França, São Raimundo Gayrard, mestre-escola, que, após a morte da esposa, se entregou com grande diligência às obras de caridade, fundou um hospício e, finalmente, foi admitido entre os cónegos da basílica de São Saturnino.

(† 1118)


9. Em Hung Yen, cidade do Tonquim, hoje no Vietnam, São José Nguyen Dinh Uyen, mártir, que era catequista e, no tempo do imperador Minh Mang, em ódio à fé cristã foi preso e morreu no cárcere.

(† 1838)


10. Em Vinh Long, cidade da Cochinchina, também no atual Vietnam, São Filipe Phan Van Minh, presbítero e mártir, que, no tempo do imperador Tu Duc, por Cristo morreu decapitado.

(† 1853)


11*. Em Fuencarral, atual bairro de Madrid, na Espanha, a Beata Maria Ana Mogas Fondcuberta, virgem, que fundou a Congregação das Irmãs da Mãe do Divino Pastor, para a formação das jovens e a assistência dos pobres e dos enfermos.

(† 1886)


12. Num pântano junto de Dongyangtai, perto de Shenxian, no Hebei, província da China, os santos Pedro Zhao Mingzhen e João Baptista Zhao Mingxi, mártires, dois irmãos, que, na perseguição movida pelos membros da seita “Yihetuan”, esquecendo os perigos para a sua incolumidade, quando defendiam as mulheres e as crianças cristãs em fuga, foram mortos pelos inimigos.

(† 1900)



67 visualizações
Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page