top of page
  • Sérgio Fadul - Mario Sgarbossa e Luigi Giovannini

Santo Inocêncio I


Eleito pontífice em 401, santo Inocêncio I, de Albano Laziale, governou a Igreja por 16 anos, em período histórico muito difícil para os destinos do império romano do Ocidente e particularmente para Roma, que a 24 de agosto de 410 foi conquistada e saqueada pelos godos de Alarico. Desde 408 o bárbaro Alarico apertava o cerco de Roma. Muitos cidadãos, ainda não convertidos ao cristianismo, celebraram solenes sacrifícios às antigas divindades. O papa Inocêncio, graças ao prestígio que tinha entre os bárbaros, obteve uma trégua, aceitando a condição de ir a Ravena, onde estava o amedrontado imperador Honório para persuadi-lo a conceder especiais poderes a Alarico.


A missão do pontífice não conseguiu os resultados esperados pelos invasores, por isso Alarico deu início ao dramático saque de Roma; o saque e as devastações duraram três dias. Os bárbaros respeitaram as igrejas. Parece mesmo que os bárbaros godos tenham transportado para o túmulo do Príncipe dos apóstolos os vasos preciosos que os particulares haviam escondido em suas próprias casas. Todavia a queda de Roma, comentada com expressões pesarosas de dor por santo Agostinho e são Jerônimo, não assinalou o declínio da autoridade pontifícia.


A solicitude para com todas as Igrejas é demonstrada por grande número de cartas escritas por Inocêncio I, trinta e seis das quais constituem o primeiro núcleo das coleções canônicas, ou cartas encíclicas, que fazem parte do magistério ordinário dos pontífices. Inocêncio I estabeleceu um ponto muito importante na disciplina eclesiástica, isto é, a uniformidade que as várias Igrejas devem ter com a doutrina e as tradições da Igreja de Roma.


Suas intervenções doutrinais se referem à liturgia sacramental, à reconciliação, à unção dos enfermos, ao batismo, à indissolubilidade do matrimônio, claramente defendida também nos casos de adultério. Durante o seu pontificado difundiu-se a heresia de Pelágio, condenada em 416 pelos concílios regionais de Milevi e de Cartago por iniciativa de santo Agostinho e com a aprovação de Inocêncio I. A solicitude do papa não se dirigia somente à defesa da doutrina tradicional da Igreja: com humaníssima sensibilidade sabia confortar e aliviar sofrimentos.


A são Jerônimo, que do seu retiro de Belém lhe escrevera para confiar-lhe algumas aflições suas, o papa respondeu com carta paterna, mostrando que sabia não só reger o leme da barca de Pedro com mão firme, mas também possuir coração aberto à compreensão de tantos pequenos e grandes dramas individuais. Morreu em Roma no ano de 417, a 28 de julho, segundo o Liber pontificalis, e foi sepultado no cemitério de Ponciano na via Portuense.


Santo Inocêncio, rogai por nós!



MARTIROLÓGIO ROMANO

12/03


1. Em Tebessa, na Numídia, na atual Argélia, São Maximiliano, mártir, que, sendo filho do militar veterano Vítor e recrutado também para o exército, respondeu ao procônsul Diónio que, na sua qualidade de cristão, não lhe era permitido servir como soldado e, por recusar o juramento militar, foi morto ao fio da espada.

(† 295)


2. Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, a comemoração dos santos mártires Migdónio, presbítero, Eugénio, Máximo, Dona, Mardónio, Pedro, Esmaragdo e Hilário, que foram sufocados um cada dia, para atemorizar os outros.

(† 303)


3. Também em Nicomédia da Bitínia, a paixão de São Pedro, mártir, camareiro-mor do imperador Diocleciano, que por ter lamentado publicamente os suplícios excessivos dos mártires, por ordem do mesmo imperador foi colocado no meio deles, depois suspenso no ar e flagelado durante muito tempo e finalmente assado a fogo lento numa grelha. Doroteu e Gorgónio, também camareiros do rei, que reclamaram contra o sucedido, sofreram semelhantes tormentos e por fim foram enforcados.

(† 303)


4. Em Roma, no cemitério de Ponciano “ad Ursum Pileatum”, o sepultamento de Santo Inocêncio I, papa, que defendeu São João Crisóstomo, confortou São Jerónimo e aprovou Santo Agostinho.

(† 417)


5. Em Saint-Pol-de-Léon, na Bretanha Armórica, hoje na França, São Paulo Aureliano, primeiro bispo desta cidade.

(† s. VI)


6. Em Roma, junto de São Pedro, o sepultamento de São Gregório Magno, papa, cuja memória se celebra a três de Setembro, dia da sua ordenação.

(† 604)


7. Em Sigriana, localidade da Bitínia, na atual Turquia, no mosteiro de Campo Grande, o sepultamento de São Teófanes, o Cronógrafo, que, sendo muito rico se fez pobre monge e, por defender o culto das sagradas imagens, foi encarcerado por ordem do imperador Leão o Arménio durante dois anos e depois deportado para a Samotrácia, onde, exausto com tantas tribulações, entregou o espírito a Deus.

(† 817)


8*. Em Wincester, na Inglaterra, Santo Elfego, bispo, que tinha sido monge e trabalhou muito para a restauração da vida cenobítica.

(† 951)


9*. Em San Geminiano, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, a Beata Fina ou Serafina, virgem, que desde tenra idade suportou com invencível paciência uma longa e grave enfermidade, confiando só em Deus.

(† 1253)


10*. Em Arezzo, também na Etrúria, actualmente na Toscana, região da Itália, a Beata Justina Francúcci Bézzoli, virgem da Ordem de São Bento e reclusa.

(† 1319)


11*. Em Recanáti, no Piceno, actualmente nas Marcas, também região da Itália, o Beato Jerónimo Gherardúcci, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, que trabalhou pela paz e concórdia entre os povos.

(† c. 1369)


12. Em Guiyang, cidade da província de Guangxi, na China, São José Zhang Dapeng, mártir, que, tendo recebido a luz da fé, pouco depois de ser baptizado abriu as portas aos missionários e catequistas e socorreu de todas as formas os pobres, os enfermos e as crianças, até ao dia em que foi conduzido ao suplício da cruz, onde derramou lágrimas de alegria por ter sido considerado digno de morrer por Cristo.

(† 1815)


13*. Em Cracóvia, na Polónia, a Beata Ângela Salawa, virgem da Ordem Terceira de São Francisco, que, decidindo passar toda a vida no serviço doméstico, viveu humildemente entre as servas, e em extrema pobreza partiu deste mundo ao encontro do Senhor.

(† 1922)


14*. Em Sanremo, na Ligúria, região da Itália, São Luís Orione, presbítero, que fundou a Pequena Obra da Divina Providência, para auxílio dos jovens e de todos os marginados.

(† 1940)

15 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page