top of page
  • Foto do escritorSérgio Fadul / Sanctorum

São Maximino de Trèves



SÃO MAXIMINO DE TRÈVES - PROTETOR CONTRA O PERJÚRIO E AS CHUVAS DESTRUTIVAS - 29 MAIO


São Maximino de Tréves ( st Maximin of Trier) (nascido em Silly perto de Poitiers ; - Poitiers 12 de setembro 346) foi o quinto bispo de Trier , segundo a lista fornecida pelo site é, na diocese de tomar assento em 341/342. Maximino era um oponente do arianismo, e foi apoiado pelos tribunais de Constantino II e Constante , que abrigava como um honrado hóspede Atanásio duas vezes durante seu exílio de Alexandria , em 336-37, antes ele era bispo, e novamente em 343. Na controvérsia ariana ele tinha apoiado Paulo de Constantinopla, no entanto, ele participou do Sínodo dos Sardica convocado pelo Papa Júlio II (ca. 342), e quando quatro bispos arianos, vieram de Antioquia para Treves, com o objetivo de ganhar Imperador Constante a seu lado, Maximino se recusou a recebê-los e induziu o imperador a rejeitar suas propostas. Maximino foi enterrado no cemitério fora do portão norte da cidade de Trier, onde seus restos foram juntados pelos bispos no final do multi-compartimentada cripta de uma igreja dedicada a São João Evangelista , mais tarde dedicada como Abadia de São Maximino em Treves. Gregório de Tours já confirmou o culto de Maximino, na igreja de São João Evangelista e o culto oferecido na sua sepultura. A Abadia - destruída por normandos em 882, e reconstruída, em seguida, foi totalmente re-construída na década de 1680, secularizada em 1802, foi bombardeada na Segunda Guerra Mundial e uma que grande parte demolida -era uma das mais antigas da Europa Ocidental. Na iconografia Maximino era identificado retratado como um bispo, com o livro, um modelo de uma igreja, e , tomando por empréstimo a lenda de Corbiniano , carregando uma bolsa de viagem. Como patrono, Maximino foi invocado na proteção contra o perjúrio, a perda no mar e as chuvas destrutivas. Seu culto era o mais forte na região de Trier e na Alsácia . A lenda medieval confunde-o com um Maximino , que foi acrescentado à Setenta Apóstolos referida no Evangelho de Lucas. Por isso, foi dito que Maximino acompanhou Maria Madalena e uma companhia dos fiéis para Aix-en-Provence, navegou milagrosamente num barco frágil sem leme ou um mastro. No século XIII conta uma legenda que pode ser lida em "Jacobus de Voragine 's Legenda Aurea" que o culto de Maria Madalena e São Maximino na Provença, foi centrado em Saint-Maximin-la-Sainte-Baume . Outros municípios na França também têm o nome desse santo e o festejam. Ele é muitas vezes representado com um urso que matou seu animal de carga e,por milagre, foi incumbido de carregar sua bagagem durante uma viagem a Roma. Quando Santo Atanásio, o Grande, foi banido para Triers em 336, São Maximino o recebeu como o mais glorioso confessor de Cristo, e achou que era uma grande felicidade desfrutar da companhia de um santo tão ilustre.

Santo Atanásio ficou com ele dois anos; E suas obras são evidentes para a infatigável vigilância, a coragem heroica e a virtude exemplar de nosso santo, que já era famoso pelo dom dos milagres. ORAÇÃO

Senhor, que, na vossa divina providência, quisestes contar no número dos Santos Pastores o vosso servo São Maximino de Tréves e o fizestes resplandecer pela sua caridade ardente e pela fé que vence o mundo, concedei, por sua intercessão, que também nós, perseverando na fé e na caridade, mereçamos participar na sua glória. Por Nosso Senhor. Amém! São Maximino, ouvi nossa prece (faz-se o pedido) Intercedei por nós ao Cristo, que nos céus contemplais, e em seu nome serei atendido, se for conforme a vontade de Deus e para sua glória. Amém!

MARTIROLÓGIO ROMANO

29/05


1. São Paulo VI, papa, que neste dia foi ordenado presbítero, depois foi nomeado arcebispo de Milão e finalmente eleito para a Sé Romana. Completou feliz e diligentemente o Concílio Vaticano II, promoveu a renovação da vida eclesial, sobretudo a sagrada Liturgia, e empenhou-se no diálogo ecuménico e na mensagem do Evangelho pelo mundo contemporâneo. No dia 6 de Agosto adormeceu na paz do Senhor.

(† 1978)


2. Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, Santo Hesíquio, guarda palaciano, mártir, que, durante a perseguição de Diocleciano, ouvindo um pregão pelo qual se ordenava que deixasse o uniforme militar quem não oferecesse incenso aos ídolos, imediatamente depôs o uniforme, e por isso foi precipitado no rio Orontes, com o braço direito ligado a uma enorme pedra.

(† c. 303)


3. Em Tréveris, na Gália Bélgica, atualmente na Alemanha, São Maximino, bispo, que foi intrépido defensor da integridade da fé contra os arianos, acolheu fraternalmente Santo Atanásio de Alexandria e outros bispos exilados e, expulso da sua sede episcopal pelos inimigos, morreu em Poitiers, sua terra natal.

(† c. 346)


4. Em Val di Non, atualmente no Trentino Alto Ádige, região da Itália, os santos mártires Sisínio, diácono, Martírio, leitor, e Alexandre, ostiário, naturais da Capadócia, que nesta região edificaram uma igreja e introduziram os cânticos do louvor divino, mas foram mortos pelos pagãos num dia em que estes ofereciam os seus sacrifícios lustrais.

(† 397)


5. Em Ravena, na Flamínia, hoje na Emília-Romanha, também região da Itália, Santo Exuperâncio, bispo, que presidiu com sábia prudência a esta Igreja, no tempo em que o rei Odoacro se apoderou da Itália e desta cidade.

(† 430/476-477)


6. Em Milão, na Ligúria, hoje na Lombardia, também região da Itália, São Senador, bispo, que o papa São Leão Magno tinha enviado como legado a Constantinopla quando ainda era presbítero.

(† c. 480)


7*. Em Mâcon, na Borgonha, na atual França, São Gerardo, que foi monge, depois eleito bispo e finalmente levou vida eremítica na floresta.

(† c. 940)


8*. Em Pisa, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, Santa Bona, virgem, que fez com devoção frequentes peregrinações à Terra Santa, a Roma e a Compostela.

(† 1207)


9*. Em Avignonet, perto de Toulouse, na França, os beatos Guilherme Arnaud e dez companheiros[1], que, unidos na missão de impedir a heresia dos cátaros, foram ardilosamente presos por causa da fé de Cristo e da obediência à Igreja Romana e morreram ao fio da espada no dia da Ascensão do Senhor, cantando unanimemente o «Te Deum».

[1] São estes os seus nomes: Bernardo de Roquefort, Garcia d’Aure, Estêvão de Sain-Thierry, Raimundo Carbonier; Raimundo de Cortisan, chamado Escrivão, cónego; Bernardo, Pedro d’Arnaud, Fortanier e Ademaro, clérigos; prior de Avignonet, cujo nome não é conhecido.

(† 1242)

10*. Em Pisa, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, a Beata Geraldina, viúva, que passou a vida numa cela junto do mosteiro camaldulense de São Sabino, consagrando-se ao louvor de Deus e à intimidade com o Senhor.

(† c. 1269)



11*. Em York, na Inglaterra, o Beato Ricardo Thirkeld, presbítero e mártir, que, no reinado de Isabel I, condenado à morte por ser sacerdote e reconciliar muitas pessoas com a Igreja católica, foi levado ao suplício do patíbulo.

(† 1583)


12*. Em Roma, localidade do Lesoto, na África Austral, o Beato José Gerard, presbítero dos Oblatos de Maria Imaculada, que anunciou incansavelmente a Cristo na província do Natal e depois, principalmente, ao povo dos Basotos.

(† 1914)


13. Em Roma, Santa Úrsula (Júlia Ledochowska), virgem, que fundou o Instituto das Irmãs Ursulinas do Coração de Jesus Agonizante e percorreu infatigavelmente nesta missão apostólica as regiões da Polónia, da Escandinávia, da Finlândia e da Rússia.

(† 1939)

75 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page