top of page
  • Sérgio Fadul - Canção Nova / ACI Digital

São José Operário


A Igreja, providencialmente, nesta data civil marcada, muitas vezes, por conflitos e revoltas sociais, cristianizou esta festa, isso na presença de mais de 200 mil pessoas na Praça de São Pedro, as quais gritavam alegremente: “Viva Cristo trabalhador, vivam os trabalhadores, viva o Papa!” O Papa, em 1955, deu aos trabalhadores um protetor e modelo: São José, o operário de Nazaré.


O santíssimo São José, protetor da Igreja Universal, assumiu este compromisso de não deixar que nenhum trabalhador de fé – do campo, indústria, autônomo ou não, mulher ou homem – esqueça-se de que ao seu lado estão Jesus e Maria. A Igreja, nesta festa do trabalho, autorizada pelo Papa Pio XII, deu um lindo parecer sobre todo esforço humano que gera, dá a luz e faz crescer obras produzidas pelo homem: “Queremos reafirmar, em forma solene, a dignidade do trabalho a fim de que inspire na vida social as leis da equitativa repartição de direitos e deveres.”


O Santo Padre pediu que “o humilde operário de Nazaré, além de encarnar diante de Deus e da Igreja a dignidade do trabalho manual, seja também o providente guardião de vocês e suas famílias”.


Pio XII desejou que o Santo Custódio da Sagrada Família “seja para todos os trabalhadores do mundo, especial protetor diante de Deus e escudo para proteger e defender nas penalidades e nos riscos de trabalho”.


Por sua vez, João Paulo II, em sua encíclica “Laborem Exercens”, sublinhou que, “mediante o trabalho, o homem não somente transforma a natureza, adaptando-a às suas próprias necessidades, mas também se realiza a si mesmo como homem e até, num certo sentido, ‘se torna mais homem’”.


Mais tarde, no Jubileu dos Trabalhadores, em 2000, o Papa da família disse: “Queridos trabalhadores, empresários, cooperadores, homens da economia: uni os vossos braços, as vossas mentes e os vossos corações a fim de contribuir para a construção de uma sociedade que respeite o homem e o seu trabalho”.


“O homem vale pelo que é e não pelo que possui. Tudo o que se realiza ao serviço de uma justiça maior, de uma fraternidade mais ampla e de uma ordem mais humana nas relações sociais conta muito mais do que qualquer progresso no âmbito técnico”, acrescentou.


São José, que na Bíblia é reconhecido como um homem justo, é quem revela com sua vida que o Deus que trabalha sem cessar na santificação de Suas obras, é o mais desejoso de trabalhos santificados: “Seja qual for o vosso trabalho, fazei-o de boa vontade, como para o Senhor, e não para os homens, cientes de que recebereis do Senhor a herança como recompensa… O Senhor é Cristo” (Col 3,23-24).



Oração a São José Operário

Glorioso São José, modelo de todos os que se dedicam ao trabalho, obtende-me a graça de trabalhar com espírito de penitência

para expiação de meus numerosos pecados;

De trabalhar com consciência,

pondo o culto do dever acima de minhas inclinações;

De trabalhar com recolhimento e alegria,

olhando como uma honra empregar e desenvolver pelo trabalho

os dons recebidos de Deus;

De trabalhar com ordem, paz, moderação e paciência,

sem nunca recuar perante o cansaço e as dificuldades;

De trabalhar, sobretudo com pureza de intenção

e com desapego de mim mesmo,

tendo sempre diante dos olhos a morte

e a conta que deverei dar do tempo perdido,

dos talentos inutilizados,

do bem omitido e da vã complacência nos sucessos,

tão funesta à obra de Deus!

Tudo por Jesus, tudo por Maria, tudo à vossa imitação,

oh! Patriarca São José!

Tal será a minha divisa na vida e na morte. Amém.



MARTIROLÓGIO ROMANO

01/05

São José Operário, que, como carpinteiro de Nazaré, ajudou com o seu trabalho Maria e José e iniciou o Filho de Deus no trabalho humano. Por isso, neste dia em que se celebra a festa do trabalho em muitas terras, os trabalhadores cristãos veneram São José como seu exemplo e protector.

2. Comemoração de São Jeremias, profeta, que, no tempo de Joaquim e de Sedecias, reis de Judá, preanunciando a destruição da Cidade Santa e a deportação do povo, sofreu muitas tribulações; por isso a Igreja o considerou como figura de Cristo padecente. Além disso, profetizou a nova e eterna Aliança que havia de consumar-se em Cristo Jesus, pelo qual o Pai omnipotente escreveria a sua lei no íntimo do coração dos filhos de Israel, de modo que Ele mesmo fosse o seu Deus e eles fossem o seu povo.


3. No território de Viviers, na hodierna França, Santo Andéolo, mártir.

(† data inc.)


4. Na Hispânia meridional, a comemoração dos santos Torcato, bispo de Guádix, e outros seis bispos de diversas cidades, a saber: Ctesifonte em Berja, Segundo em Ávila, Indalécio em Almeria, Cecílio em Elvira, Hesíquio em Carcesa e Eufrásio em Andújar.

(† data inc.)

5. Em Auxerre, na Gália, hoje na França, Santo Amador, bispo, que procurou erradicar da sua cidade as superstições pagãs e instituiu o culto dos santos mártires.

(† 418)


6. Em Auch, na Aquitânia, também na atual França, Santo Orêncio, bispo, que se esforçou por exterminar na sua cidade os costumes dos pagãos e estabelecer a paz entre os Romanos e o rei dos Visigodos em Toulouse.

(† c. 440)


7*. Na Bretanha Menor, também na hodierna França, São Brioco, bispo e abade, natural do País de Gales, que fundou um mosteiro no litoral da Armórica, posteriormente elevado à dignidade de sede episcopal.

(† c. 500)


8. Em Saint-Maurice-en-Valais, na Récia, atualmente na Suíça, o sepultamento de São Segismundo, rei da Borgonha, que, convertido da heresia ariana à fé católica, ali instituiu um grupo de cantores para entoar salmos ininterruptamente diante dos sepulcros dos mártires, expiou com penitência, lágrimas e jejuns um delito cometido e encontrou a morte no território de Orléans, onde foi afogado num poço pelos adversários.

(† 524)


9*. Numa ilha da Bretanha Menor, atualmente na França, São Marculfo, eremita, depois monge e abade do mosteiro de Nanteuil.

(† c. 558)


10. Em Llanelwy, no País de Gales, Santo Asafo, abade e bispo da sede posteriormente designada com o seu nome.

(† s. VI f.)


11*. Em Gap, na Provença, região da Gália, hoje na França, Santo Arísio, bispo, célebre pela sua paciência nas adversidades, pelo zelo contra os simoníacos e pela caridade para com os monges romanos enviados à Inglaterra.

(† 604)


12*. No território de Montauban, na Gália Narbonense, também na actual França, o passamento de São Teodardo, bispo de Narbonne, que restaurou a sua igreja catedral e resplandeceu pelo seu diligente magistério. Atingido pela enfermidade, retirou-se num mosteiro, onde entregou a sua alma a Deus.

(† 893)


13*. Em Fossombrone, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, o Beato Aldebrando, bispo, ilustre pela sua vida austera e espírito apostólico.

(† 1170)


14*. Em Arouca, localidade de Portugal, a Beata Mafalda de Portugal, virgem, cuja memória se celebra em Portugal no dia 20 de Junho, juntamente com a das suas irmãs Sancha e Teresa.

(† 1257)


15*. Em Montaione, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Vivaldo de São Geminiano, eremita da Ordem Terceira de São Francisco, insigne pela austeridade de vida, paciência e caridade na assistência aos enfermos.

(† c. 1320)


16*. Em Castello di Valle d’Ístria, cidade da Ístria, hoje Bale, cidade da Croácia, o Beato Juliano Cesarello, presbítero da Ordem dos Menores, que andava por cidades e aldeias anunciando a palavra de Deus e acalmando as discórdias dos cidadãos.

(† c. 1349)


17. Em Forli, na Emília, hoje na Emília-Romanha, região da Itália, São Peregrino Laziósi, religioso da Ordem dos Servos de Maria, que, em consonância com a sua condição de servo da Mãe de Deus, se tornou insigne na piedade para com o seu Filho Jesus e na solicitude pelos pobres.

(† 1345)


18*. Em Moncel, no território de Beauvais, na França, a Beata Petronila, virgem, primeira abadessa do mosteiro das Clarissas deste lugar.

(† 1355)


19. Em Roma, dia natal de São Pio V, cuja memória é celebrada na véspera deste dia.

(† 1572)


20. Na fortaleza de San-Tay, no Tonquim, hoje no Vietnam, Santo Agostinho Schoeffler, presbítero da Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris e mártir, que, depois de três anos de ministério apostólico, foi metido no cárcere e, por ordem do imperador Tu Duc, decapitado no chamado Campo das Cinco Geiras, assim recebendo a graça do martírio que todos os dias pedia a Deus.

(† 1851)


21. Em Nam-Dinh, também no Tonquim, São João Luís Bonnard, presbítero da mesma Sociedade e mártir, que, condenado à morte por ter baptizado vinte e cinco crianças, foi decapitado e assim alcançou a coroa do martírio.

(† 1852)


22. Em Milão, na Itália, São Ricardo (Hermínio Filipe) Pampúri, que, depois de ter exercido generosamente a medicina na vida secular, ingressou na Ordem Hospitaleira de São João de Deus e, passados cerca de dois anos, adormeceu piedosamente no Senhor.

(† 1928)


23*. Em Vladimir, cidade da Rússia, o Beato Clemente Steptyckyj, presbítero e mártir, que foi prior do mosteiro estudita da cidade de Univ e, no tempo dum regime hostil a Deus, perseverando firme na fé, mereceu habitar nas moradas celestes.

(† 1951)

73 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page