top of page
  • Sérgio Fadul / Cruz Terra Santa

São João de Capistrano


Pelo fervor de suas prédicas, São João de Capistrano podia ser comparado a um leão que rugisse, ou a uma trombeta celeste. E seus exemplos confirmavam suas palavras. Viajava sempre a pé, carregando aos ombros os livros que utilizava. Após longos e veementes discursos, exausto de fadiga, acreditava nada ter feito. Tomava logo seu alforje e ia mendigar seu pão de porta em porta. Suas mortificações eram extremas: alimentava-se apenas uma vez ao dia.


Em compensação, Deus fazia acompanhar a palavra de seu servo por milagres extraordinários. Ele não se bastava para satisfazer todas as populações que reclamavam seu ministério.


Aonde chegava, auditórios imensos de até 150 mil pessoas se reuniam para ouvi-lo.


Os frutos de seu apostolado foram incalculáveis: restabelecia a paz em cidades divididas e convertia os pecadores irredutíveis.


Certa vez, o povo de certo lugarejo obstinava-se a não dar ouvidos aos convites do santo. Repentinamente o território da cidade foi invadido por uma multidão incrível de ratos, que devoravam os arbustos e as ervas.


Noutra ocasião, pregava numa praça pública: 60 mil pessoas estavam suspensas às suas palavras e nessa multidão havia numerosos endemoninhados. Em sua fervorosa improvisação, o homem de Deus, dirigindo-se a eles gritou: “Em nome de Jesus, respondei-me e repeti comigo três vezes: Ó Nome todo-poderoso, ó Nome terrível, ó Nome todo divino!” Os pobres possessos repetiam isso. Mas o mais admirável é que todos os demônios espalhados na região, ao redor de 8 milhas, o repetiram juntamente, como se tivessem ouvido a abjuração do santo.


Quando pregava contra a vaidade das mulheres, fazia-o com tanta energia que, após o sermão, elas lhe levavam suas joias e adornos, lançando-os publicamente na fogueira.


Durante os seus sermões, São João detinha a chuva nos céus e impunha silêncio aos pássaros que perturbavam sua pregação.


Um historiador assim descreve um dia desse santo, quando pregava em Nuremberg:


“Levantava-se antes da aurora a fim de recitar o Ofício e preparar-se para a Santa Missa. Dirigia, então, ao povo um sermão em latim, que um intérprete traduzia no idioma do lugar. Voltava ao convento, rezava Sexta e Nona. Boa parte da tarde era consagrada à visita aos doentes. Depois concedia audiência àqueles que tinham necessidade de lhe falar. Recitava Vésperas e voltava ao serviço dos doentes até à noite. Após as Completas e a oração da noite, concedia algum repouso a seu corpo, embora roubasse ao sono vários momentos para rever a Sagrada Escritura. Tal era a eficácia de suas palavras, que ele fazia chorar mesmo aqueles que não compreendiam sua língua.”


Com autêntica austeridade, São João contundia os desvios de sua época


A espiritualidade de São Francisco de Assis apresenta dois aspectos diversos: de um lado, a doçura, da qual nos dá exemplo o próprio São Francisco; de outro lado, a severidade.


A severidade dos capuchinhos da grande época tornou-se famosa na História da Igreja. Homens austeros, que praticavam a pobreza levada aos extremos limites, e que combatiam a infidelidade, a imoralidade, as heresias dos grandes e poderosos de um modo verdadeiramente admirável.

São João de Capistrano viveu numa época em que os efeitos do Concílio de Trento ainda não se tinham feito sentir, onde o amor exagerado ao luxo tinha invadido os ambientes eclesiásticos – fato que foi aproveitado como pretexto pelos pseudo-reformadores do protestantismo.


Os sacerdotes daquele tempo davam-se com o que era antigamente a classe dominante, a nobreza; por isso, tanto quanto podiam, aspiravam levar uma vida de luxo e de pompa, imitando os grandes senhores feudais.


Por outro lado, muitos ingressavam no estado religioso sem possuir vocação autêntica e, com isso, degradavam o estado sacerdotal.


Também os nobres daquele tempo levavam uma vida repleta de delícias, de opulências, uma vida de gozo sensual, oposto à austeridade evangélica.


Contra essa forma da Revolução, os religiosos capuchinhos e franciscanos aparecem como contra-revolucionários por excelência.


Por onde passava, São João de Capistrano aparecia como a personificação da austeridade.


Em estradas percorridas por magníficas carruagens, atravessadas por homens a cavalo ricamente ajaezados, viajadas por burgueses em cômodas liteiras, via-se também a figura austera de um franciscano todo ele sobrenatural, num passo veloz e decidido, recolhido em oração, varonil, forte, saudável, carregando às costas um saco cheio de livros de oração.


Isso constituía um tremendo contraste com toda aquela moleza, com toda aquela efervescência de sensualidade e de orgulho que já estava produzindo seus frutos e que os ia produzir intensamente mais adiante.


Assistido por milagres, o santo austero convertia multidões


Quando esses franciscanos ocupavam o púlpito faziam sermões tremendos, dizendo as verdades a todo mundo, increpando a moleza de vida, a sensualidade, o orgulho, a luxúria em que estavam se afundando.

Vemos na história de São João de Capistrano auditórios de até 150 mil pessoas ouvindo-o. Podemos imaginar o que era a vontade de ouvir descompostura – porque era descompostura grossa que vinha! – que aquele povo manifestava.


Ele falava contra o luxo das mulheres, contra os vícios do povo. Era dito tudo e o povo acorria em grande quantidade para ouvir. Naturalmente, isso causava impressão. Mas entre causar impressão e causar conversão, a distância é grande. E São João de Capistrano muitas vezes não conseguia o resultado visado.


Porém, esta era ainda uma época onde os milagres se multiplicavam. Então, quando ele falava, os ratos vinham roer as plantas; a terra que tremia; endemoninhados repetiam aquilo que ele exigia. Vemo-lo, portanto, alcançar enormes resultados no púlpito.


Pequeno repouso depois do fatigante labor cotidiano


Terminado o trabalho apostólico, o que fazia São João? Retirava-se calmamente para o recolhimento de sua cela.


Ele – que acabava não só de abalar cidades, mas de arrancar milagres da própria misericórdia de Deus – dormia, então, no seu cantinho. Depois, enquanto a cidade ainda estava imersa no sono, ele começava longas orações.


Podemos imaginar a edificação de alguém que, voltando para casa às três, quatro horas da manhã, passando perto de um convento, vê uma luzinha acesa, e comenta: “É Frei João de Capistrano, um santo, que já está acordado. Um dos primeiros na cidade a acordar, enquanto a cidade ainda dorme. A esta hora o santo varão reza, ele lê o seu livro de Horas, ele se prepara para a Missa.”


Só de imaginar a oração de São João de Capistrano, um calor sobrenatural nos enche a alma.


Depois disso ele vai visitar os doentes, vai atender às pessoas. Come uma única vez ao dia. No final de contas, vai se deitar exausto. Mas no momento em que se deita, ele revê um pouco a Sagrada Escritura.


A santidade torna o homem capaz de multiplicar-se por si mesmo e exceder os limites de suas possibilidades naturais


Vemos, em São João de Capistrano, como Deus é admirável nos seus santos! Nele vemos bem o que é a santidade.


Trata-se de uma graça excelente que toca a alma no que ela tem de mais profundo, proporcionando-lhe dons magníficos que excedem a simples natureza.


A graça a completa de tal maneira que o homem, como que, multiplica-se por si mesmo e fica muito superior a uma pessoa comum: ele torna-se quase um Anjo; mas não somente um Anjo, ele fica uma figura do próprio Deus.


Christianus alter Christus. É Nosso Senhor Jesus Cristo dizendo as verdades, sacrificando-se, fazendo penitência, orando continuamente, visitando os pobres e produzindo milagres.


Temos, portanto, a figura de um grande contra-revolucionário em função dos aspectos da Revolução naquele tempo; um santo cuja biografia nos enche a alma.




Origens


João nasceu em 24 de junho do ano 1386, na cidade de Capistrano, perto de Áquila, no reino de Nápoles, Itália. Seu pai era um conde alemão e sua mãe, uma jovem italiana. Estudou direito civil e canônico na cidade de Perugia e formou-se com horas e méritos excepcionais. Lá, tornou-se homem de enorme influência.


Casado, juiz e governador


Em Perúgia, João de Capistrano se casou com uma jovem filha de um nobre membro da comunidade. Por causa de seu brilhantismo no direito, foi aclamado juiz da cidade. Mais tarde, tornou-se governador da cidade, no tempo em a revolta contra o domínio do rei de Nápoles estava começando. João de Capistrano tornou-se um governador muito respeitado por todos. Por isso, julgava ter amigos verdadeiros até mesmo entre adversários.


Traição e morte da esposa


Por acreditar nessas “amizades”, João de Capistrano assumiu a missão de tentar um diálogo de aproximação com o rei. Porém, ele estava muito enganado. Os adversários não acreditaram em suas propostas de paz e, além disso, o prenderam. Para piorar, estando João de Capistrano na prisão, recebeu a triste notícia: sua esposa estava morta. João tinha, nessa época, trinta e nove anos.


Resgatando a liberdade


O fracasso na diplomacia e a morte de sua esposa levaram João de Capistrano a uma mudança de vida e ele tomou uma decisão. Ainda preso, renunciou a todos os seus cargos políticos, vendeu seus bens, pagou o resgate da sua libertação e pediu para entrar num convento de frades franciscanos.


Franciscano


Porém, também no convento, João de Capistrano deparou-se com a desconfiança dos frades. Eles custaram a crer no seu propósito. Antes de permitir que ele passasse a usar o hábito franciscano, submeteu-o a inúmeras humilhações e dificuldades, para por à prova sua determinação. João de Capistrano, porém, superou tudo, dando provas não só de determinação como de verdadeira conversão e busca de Deus. Assim, apenas um ano depois de seu ingresso no convento, ele já era um dos religiosos mais respeitados da comunidade. Mais tarde, ele viria a colaborar para a reforma da Ordem Franciscana.


Missionário cheio do Espírito Santo


São João de Capistrano tornou-se um franciscano exemplar. Durante trinta anos viveu na oração, praticando a penitência, jejum, a caridade e a alegria franciscana. Tornou-se um evangelizador forte e vigoroso da França, Itália, Alemanha, Hungria, Áustria, Rússia e Polônia. Pregador inspirado e arrebatador, multidões viajavam para ouvi-lo. Após ouvi-lo falar, inúmeros jovens decidiam se tornar franciscanos. Por causa de sua santidade e sabedoria, tornou-se conselheiro de quatro papas.


Ameaça muçulmana


Estando já com setenta anos, São João de Capistrano liderou a defesa da Itália na conhecida batalha de Belgrado, contra a invasão dos turcos muçulmanos. O grandioso exército estava prestes a tomar toda a Europa e já tinha dominado acima de duzentas cidades. O papa Calisto III, inspirado por Deus, designou-o pregador e capelão de uma cruzada que tinha como objetivo nada menos que defender o continente europeu. O exército inimigo era dez vezes maior. Humanamente, a guerra estava praticamente perdida. Os soldados quase desfalecendo.


Vencendo batalhas


Então, apareceu São João de Capistrano no meio deles. Ele começou a animar a todos. Percorria todas as fileiras levantando o ânimo de todos, baseando-se no poder da oração e na fé em Cristo. São João fez isso continuamente, durante onze dias e onze noites, sem parar. Espantados com a força espiritual e a atitude do santo, os guerreiros muçulmanos começaram a entrar em confusão. Depois, apavoraram-se. Em seguida, o exército ficou desorganizado. Então, os soldados cristãos começaram a dominar a batalha e chegaram à vitória final.


Retiro e morte


São João de Capistrano preferiu deixar este grande feito no anonimato, mas o exército cristão fez questão de reconhecer e atribuir esta grande vitória a ele. Depois de cumprir esta missão, ele decidiu retirar-se no Convento de Villach, Áustria. Ali, na paz do Senhor, três meses depois, ele veio a falecer. Era o dia 23 de outubro do ano 1456. A partir de então, passou a ser venerado espontaneamente como santo e seu culto se espalhou pelo mundo e chegou forte até os dias de hoje. Sua canonização foi celebrada no ano 1724, pelo papa Bento XIII. Por sua sabedoria e exercício da justiça, especialmente como juiz, São João de Capistrano passou a ser invocado como padroeiro dos juízes.


Oração a São João de Capistrano


“Deus, nosso Pai, a exemplo de São João Capistrano, o nosso exemplo de fé, de amor à verdade, à fraternidade, brilhe num mundo descrente, amante da mentira e do egoísmo. Sejamos o sal da terra, mediante uma vida honrada e íntegra, trabalhando com ardor para construção da paz e da comunhão. Sejamos luz para este mundo carente de valores espirituais que jaz na treva do isolamento e do individualismo. Aprendamos de Jesus, manso e humilde de coração, a ser compassivos e misericordiosos, fazendo o bem sem olhar à quem. E os homens, vendo o nosso empenho, nossa dedicação em servir, nosso esforço em compartilhar, nossa alegria de viver, nossa esperança nas adversidades, possam crer em vós, Deus de amor, que nos sustentais na vossa bondade. Que por nossa causa, ninguém se afaste de vós, Deus vivo e verdadeiro. Mas, através de nosso exemplo, possam chegar a vos conhecer e a vos amar de toda mente e de todo coração.”


São João de Capistrano, rogai por nós!



MARTIROLÓGIO ROMANO

23/10


1. São João de Capistrano, presbítero da Ordem dos Menores, que defendeu a observância regular e desenvolveu o seu ministério em quase toda a Europa, trabalhando no fortalecimento da fé e na reforma dos costumes católicos; com as suas exortações e preces sustentou o fervor do povo fiel e empenhou-se na defesa da liberdade dos cristãos. Morreu na localidade de Ujlac, junto ao rio Danúbio, no reino da Hungria.

(† 1456)


2. Perto de Cádiz, na Bética, região da Hispânia, os santos Servando e Germano, mártires na perseguição do imperador Diocleciano.

(† s. IV in.)


3. Na antiga Pérsia, os santos mártires João, bispo, e Tiago, presbítero, que, no tempo do rei Sapor II, foram encarcerados e, um ano depois, mortos ao fio da espada, consumaram o seu combate da fé.

(† 344)


4. Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, São Teodoreto, presbítero e mártir, que, segundo a tradição, foi preso pelo imperador Juliano o Apóstata e, por persistir na confissão de fé em Cristo, sofreu o martírio.

(† c. 362)


5. Em Colónia, na Germânia, na atual Alemanha, a comemoração de São Severino, bispo, digno de louvor por todas as suas virtudes.

(† c. 400)


6*. Em Pavia, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Severino Boécio, mártir, insigne pela sua ciência e seus escritos; durante o seu cativeiro escreveu um tratado sobre a consolação da filosofia e serviu fielmente a Deus até à morte, que lhe foi infligida pelo rei Teodorico.

(† 524)


7*. Em Siracusa, na Sicília, região da Itália, São João, bispo, de quem o papa São Gregório Magno louvou os costumes, a justiça, a sabedoria, o dom do conselho e o zelo pelos assuntos da Igreja.

(† c. 609)


8. Em Ruão, na Nêustria, na atual França, São Romão, bispo, que abateu os símbolos dos pagãos que ainda eram venerados na cidade, convenceu os bons a progredir no bem e dissuadiu os maus de praticar o mal.

(† c. 644)


9. No território de Herbauge, perto de Poitiers, na Aquitânia, hoje também na França, São Bento, presbítero.

(† a. s. IX)


10. Em Constantinopla, hoje Istambul, na Turquia, Santo Inácio, bispo, que, por ter repreendido o imperador Bardas pelo repúdio da sua legítima esposa, foi objeto de muitas injustiças e mandado para o exílio; mas, restituído à sua sede por intervenção do papa Nicolau I, finalmente descansou em paz.

(† 877)


11*. Em Rumsey, na Inglaterra, Santa Etelfleda, que foi consagrada a Deus desde a infância no mosteiro fundado por seu pai Etelvoldo e, eleita abadessa, o governou sabiamente até ao fim dos seus dias.

(† s. X)


12*. Em Campugliano, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, Santo Alúcio, verdadeiro homem de paz, generoso benfeitor dos pobres, refúgio dos peregrinos e libertador dos cativos.

(† 1134)


13*. Em Mântua, na Lombardia, também na Itália, o Beato João Bom, eremita, que, sendo jovem, abandonou sua mãe e vagueou por diversas regiões da Itália, exercendo a arte de malabarista e comediante; mas, aos quarenta anos, atingido por uma grave enfermidade, prometeu a Deus abandonar o mundo, para se entregar totalmente a Cristo e à Igreja no amor e na penitência, e fundou uma Congregação sob a Regra de Santo Agostinho.

(†1249)


14*. Em Milão, também na Lombardia, o Beato João Ângelo Porro, presbítero da Ordem dos Servos de Maria, que, sendo prior do convento, todos os dias festivos estava à porta da igreja ou percorria as ruas, para reunir as crianças e ensinar-lhes a doutrina cristã.

(† 1506)


15*. Em York, na Inglaterra, o Beato Tomás Thwing, presbítero e mártir, que, acusado falsamente de conspiração, por ordem do rei Carlos II foi enforcado e esquartejado, e assim alcançou a palma do martírio.

(† 1680)


16*. Em Valenciennes, na França, as beatas Maria Clotilde Ângela de São Francisco de Bórgia (Clotilde Josefa Paillot) e cinco companheiras[1], virgens e mártires, que, consagradas a Deus e condenadas à morte durante a Revolução Francesa, subiram piedosamente ao patíbulo ante a admiração do povo.

[1] São estes os seus nomes:

Maria Escolástica Josefa de São Tiago (Maria Margarida Josefa Leroux), Maria Córdula Josefa de São Domingos (Joana Luísa Barré), da Ordem das Ursulinas; Josefina (Ana Josefa Leroux), da Ordem das Clarissas; Maria Francisca (Maria Lievina Lacroix) e Ana Maria (Maria Agostinha Erraux), da Ordem de Santa Brígida.

(† 1794)


17. Em Tho-Duc, cidade do Anam, atualmente no Vietnam, São Paulo Tong Viet Buong, mártir, que, sendo soldado, morreu por Cristo no tempo do imperador Minh Mang.

(† 1833)


18*. Em Reims, na França, o Beato Arnaldo (Julião Nicolau Rèche), religioso da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs, que, dócil em tudo ao Espírito Santo, se dedicou intensamente à formação dos jovens, sempre fiel no seu exercício de professor e assíduo na oração.

(† 1890)


19*. Em Ciudad Real, na Espanha, os beatos mártires Ildefonso da Cruz (Anatólio Garcia Nozal) e Justiniano de São Gabriel da Senhora das Dores (Justiniano Cuesta Redondo), presbíteros Congregação da Paixão, e quatro companheiros[1], religiosos da mesma Congregação, que, por Cristo e pela Igreja, foram fuzilados durante a perseguição religiosa.

[1] Eufrásio do Amor Misericordioso (Eufrásio de Celis Santos), Tomás do Santíssimo Sacramento (Tomás Cuartero Gascón), José Maria de Jesus e Maria (José Maria Cuartero Gascón) e Honorino de Nossa Senhora das Dores (Honorino Carracedo Ramos)

(† 1936)

20*. Em El Saler, localidade próxima de Valência, também na Espanha, o Beato Leonardo Olivera Buera, presbítero e mártir, que, durante a mesma perseguição religiosa, imitando a paixão de Cristo, mereceu alcançar o prémio eterno.

(† 1936)


21*. Em Benimaclet, também na província de Valência, na Espanha, os beatos Ambrósio Leão (Pedro Lorente Vicente), Florêncio Martinho (Álvaro Ibáñez Lázaro) e Honorato André (André Zorraquino Herrero), religiosos da Congregação dos Irmãos das Escolas Cristãs e mártires, que, durante a mesma perseguição derramaram o seu sangue por Cristo.

(† 1936)

45 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page