top of page
  • Foto do escritorSérgio Fadul / Franciscanos

São Cirilo de Jerusalém


Desde o início dos tempos cristãos a heresia se infiltrara na Igreja, mas, foi no século IV, que ocorreram as do arianismo e do “nestorianismo” causando profundas divisões. Cirilo viveu nesse período em Jerusalém, perto de onde nascera em 315, de pais cristãos e bem situados financeiramente. Muito preparado, desde a infância, nas Sagradas Escrituras e nas matérias humanísticas, em 345, foi ordenado sacerdote.


Em 348, foi consagrado, bispo de Jerusalém. Ocupou o cargo durante aproximadamente trinta e cinco anos, dezesseis dos quais passou no exílio, em três ocasiões diferentes. A primeira porque o bispo Acácio, de grande influencia na Igreja, cuja obra foi citada por São Jerônimo, acusou Cirilo de heresia. A segunda por ordem do imperador Constâncio que entendeu ser Cirílo realmente um simpatizante dos hereges, mas em sua defesa atuaram os bispos, Atanásio e Hilário, ambos Padres da Igreja assim como o próprio bispo Cirilo o é. A terceira, foi a mais longa , porque o imperador Valente, este sim herege, decidiu mandar de volta ao exílio todos os bispos anistiados, fato que fez Cirilo peregrinar durante onze anos, por várias cidades da Ásia, até a morte do soberano, em 378.


O seu trabalho, entretanto resistiu a tudo e chegou até nossos dias e especialmente porque ele sabia ensinar o Evangelho, como poucos. Em sua cidade, logo que se tornou sacerdote e no início do episcopado era o responsável por preparar os catecúmenos, isto é, os adultos que se convertiam e iriam ser batizados. Foi nesse período que escreveu dezoito discursos catequéticos, um sermão, a carta ao imperador Constantino e outros pequenos fragmentos. Treze escritos eram dedicados à exposição geral da doutrina e cinco dedicados ao comentário dos ritos Sacramentais da iniciação cristã. Assim, seus escritos explicam detalhadamente os “como” e os “porquês” de cada oração, do batismo, da crisma, da penitência, dos sacramentos e dos mistérios do Cristianismo, ditos dogmas da Igreja.


Cirilo também soube viver a religião na prática. Numa época de grande carestia, por exemplo, não hesitou em vender valiosos vasos litúrgicos e outras preciosidades eclesiásticas, para matar a fome dos pobres da cidade. Ele morreu no ano 386.


Desde o início de sua vida religiosa, Cirilo cujo caráter era afável e suave, sempre preferiu a catequese aos assuntos polêmicos, chegando quase a se comprometer com os arianos e semiarianos. Porém, de maneira contundente aderiu à doutrina ortodoxa da Igreja no III Concílio ecumênico de Constantinopla, em 382, no qual ficou clara sua sempre fiel postura à Santa Sé e à Verdade de Cristo. Nessa oportunidade teve em seu favor a eloquência das vozes dos sinceros bispos e amigos, Atanásio e Hilário, que o chamaram “valente lutador para defender a Igreja dos hereges que negam as verdades de nossa religião”.


Sua canonização demorou porque, durante muito tempo, seu pensamento teológico foi considerado vacilante, como dizem os registros. Em 1882, o Papa Leão XIII, na solenidade em que instituiu sua veneração, honrou São Cirilo de Jerusalém, com os títulos de doutor da Igreja e príncipe dos catequistas católicos.


A Igreja também celebra hoje a memória dos santos: Cristiano e Narciso



MARTIROLÓGIO ROMANO

18/03


1. São Cirilo, bispo de Jerusalém e doutor da Igreja, que, tendo sofrido muitos ultrajes dos arianos por causa da fé e expulso várias vezes da sua sede episcopal, expôs admiravelmente aos fiéis a reta doutrina, a Escritura e os santos mistérios com homilias e catequeses.

(† c. 386/387)


2. Comemoração de Santo Alexandre, bispo e mártir, que, tendo vindo da Capadócia para Jerusalém, exerceu o ministério pastoral nesta Cidade Santa, fundou uma excelente biblioteca e abriu uma escola. Mais tarde, durante a perseguição do imperador Décio, quando já brilhavam os cabelos brancos da sua veneranda velhice, foi conduzido a Cesareia da Palestina e aí sofreu o martírio pela fé em Cristo.

(† c. 250)


3. Em Lucca, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, São Frigdiano, bispo, natural da Irlanda, que congregou clérigos num mosteiro, para benefício do povo desviou o curso do rio Sérchio, tornando mais fértil a terra, e converteu à fé católica os Lombardos que tinham invadido a região.

(† c. 588)


4. Em Tours, cidade da Nêustria, atualmente na França, São Leobardo, que viveu recluso numa pequena cela próxima do mosteiro de Marmoutier, onde resplandeceu pela sua admirável abstinência e humildade.

(† c. 593)


5. Em Saragoça, na Hispânia Tarraconense, São Bráulio, bispo, que ajudou Santo Isidoro, de quem foi grande amigo, a restaurar a disciplina eclesiástica em toda a Hispânia e foi seu digno sucessor na eloquência e sabedoria (comemorado 26/mar).

(† 651)


6. Perto de Wareham, localidade da Inglaterra, Santo Eduardo, rei dos Ingleses, dolosamente assassinado ainda jovem pelos servos da madrasta (comemorado no dia 13/out).

(† 978)


7. Em Mântua, na Lombardia, região da Itália, o passamento de Santo Anselmo, bispo de Lucca, fidelíssimo à Sé Romana, que, no conflito sobre as investiduras, restituiu ao papa Gregório VII o anel e o báculo pastoral que relutantemente recebera do imperador Henrique IV e, expulso da sua sede pelos cónegos que recusavam a vida comum, foi enviado à Lombardia como legado do papa, que encontrou nele um valioso colaborador.

(† 1086)


8. Em Cágliari, na Sardenha, São Salvador Grionesos de Horta, religioso da Ordem dos Frades Menores, que se tornou um humilde instrumento de Cristo para salvação dos corpos e das almas.

(† 1567)


9*. Em Lencastre, na Inglaterra, os beatos João Thules, presbítero, e Rogério Wrenno, oriundos do mesmo condado, mártires de Cristo no reinado de Jaime I.

(† 1616)


10*. No mosteiro de Saint-Sauveur-le-Vicomte, na Normandia, região da França, a Beata Marta (Amata Le Bouteiller), virgem das Irmãs das Escolas Cristãs da Misericórdia, que, animada pela sua plena confiança em Deus, desempenhou sempre com inalterável paciência os ofícios mais humildes.

(† 1883)


11♦. Em Florença, na Itália, a Beata Celestina da Mãe de Deus (Maria Ana Donáti), virgem, fundadora da Congregação das Filhas Pobres de São José de Calasans.

(† 1925)

70 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page