• nsdagloria

São Charbel Makhlouf


Origem

São Charbel Makhlouf, símbolo de união entre Oriente e Ocidente, beatificado no dia 5 de dezembro de 1965 e canonizado no dia 9 de outubro de 1977, foi o primeiro confessor do Oriente venerado de acordo com o procedimento da Igreja Católica Apostólica Romana. Libanês, São Charbel foi membro da Ordem Libanesa Maronita e filho da Igreja Maronita. Esta deve o seu nome a um anacoreta oriental, São Maron (Marun), falecido em 410. A Igreja Maronita, cujo centro se encontra no Líbano, tem a honra de ter como língua litúrgica o aramaico, a língua falada por Jesus Cristo; ela também tem a honra de ter permanecido sempre católica, apostólica, romana. A Igreja Maronita foi à única Igreja oriental que ficou sempre ligada ao Santo Padre, o Papa.


São Charbel nasceu no dia 8 de maio de 1828, numa aldeia montanhosa maronita, chamada Beqa Kafra, a mais alta do Líbano, a 1.600 metros de altitude, situada nas proximidades dos Cedros do Líbano, com vista panorâmica sobre a Vale de Qadisha, conhecido por "Vale Santo". Era o quinto filho do casal Antun Zarour Makhlouf e Brígita Al-Chidiac, batizado com nome de Youssef (José). De família modesta e muito respeitada, o pai era um simples camponês, mas de uma fé sólida e inabalável. Sua mãe igualmente muito piedosa. Neste ambiente de simplicidade, piedade e honestidade, cresceu o pequeno Youssef. Quando completou seu terceiro ano, perdeu seu pai que foi requisitado pelo exército otomano (turco) para transporte de material e trabalhos forçados. Órfão de pai, Youssef freqiientava, em companhia de outras crianças seus colegas, a escola paroquial de sua aldeia. Notava-se que ele era muito religioso. De fato, todas as noites,antes de irem dormir, as crianças, como estava acontecendo nas maiorias das famílias maronitas daquele tempo, ajoelhadas em volta da mãe, repetiam as preces que ela fazia, enquanto o incenso queimava num prato sobre um altarzinho suspenso à parede onde Nossa Senhora ocupa um lugar central, em meio aos santos.


Vocação


Desde a primeira infância, Youssef manifestou uma tendência muito pronunciada para a devoção e para a meditação. Às vezes, ele abandonava seus companheiros e retirava-se para rezar sozinho numa gruta que foi denominada, a princípio ironicamente, "a gruta do santo". Já adolescente, no inverno, como a neve cobria os campos e as casas - às vezes tinha quatro metros de neve - Youssef ajudava sua mãe no trabalho doméstico, sobretudo a cozer o pão libanês que se preparava em casa. Mas na primavera, Youssef levava a vaca e os cordeiros da família a pastarem, e ajudava o tio paterno, Tanios, nos trabalhos agrícolas, sobretudo a cultivar as amoreiras para criar o bicho da seda (charanek el azz), ou "a safra do esplendor" (mawssem el izz), naquele tempo, principal meio de vida de toda a montanha libanesa. Assim, Youssef trabalhava e, ao mesmo tempo, aprendia a ler e escrever sob o carvalho da igreja que funcionava como escola da aldeia. Mas seu coração não estava em nada disto. Ele pedia à Santíssima Virgem, tão venerada pelos Maronitas, que o ajudasse para se tornar monge como seus dois tios maternos que eram eremitas no mosteiro de Santo Antão de Qozhaya que pertence a Ordem de Santo Antão Libanesa Maronita. Num mundo sem interesse para ele, Youssef começou realmente a sentir a nostalgia de Deus. Já ouvia uma forte voz interior a chamá-lo: "Deixa tudo e segue o Cristo para ganhar Tudo". Sendo ainda jovem, aos 23 anos, e apesar da afeição da mãe por ele, bem como da oposição de seu tio paterno, pois precisava dos braços do moço para sustentar a família, e da solicitação de uma jovem vizinha, Míriam, que, apaixonada, queria casar-se com ele, Youssef preferiu responder ao chamado de Deus e abraçar a vida monástica. Em 1851, bem cedo e sem avisar ninguém, nem mesmo a sua mãe, Youssef deixou a sua aldeia e se apresentou no mosteiro de Nossa Senhora de Mayfouq da Ordem Libanesa Maronita, na região de Jbeil (Byblos). Assim, aos 23 anos de idade, o jovem Youssef fez seu primeiro ano de noviciado neste mosteiro, superando todas as provas, e escolheu por nome religioso "Charbel", em honra a São Charbel, martirizado no Oriente Médio em 121 de nossa era cristã. Nada podia desviar o irmão Charbel desta desisão livre e inspirada. De fato, sua mãe e outros parentes visitaram-no muitas vezes no mosteiro para tentar dissuadi-lo, mas ele tinha sempre uma só resposta: "Deus me quer inteiramente para Ele".


Profissão Monástica


Terminando o primeiro ano de noviciado, o irmão Charbel foi enviado ao mosteiro de São Marun de Annaya para fazer seu segundo ano de provação. É bom sublinhar que a primeira pedra deste mosteiro onde viveria e seria sepultado Padre Charbel foi posta no mesmo ano de nascimento do nosso santo em 1828. Na vida religiosa, o noviço deve cantar o Ofício sete vezes por dia em aramaico, a língua falada por Jesus Cristo na Palestina; ele também deve praticar a penitência e estudar a liturgia e a vida monástica. Além disso, ele desempenhava os trabalhos domésticos do mosteiro, tanto internos como externos: lavar a roupa, fazer o pão, cultivar a terra, ser mesmo sapateiro-remendão, carpinteiro, agricultor, etc... Em suma, os monges daquele tempo procuraram a viver "o regime de auto-suficiência". Em 1853 e aos 25 anos de idade, no fim do noviciado, ele fez no mosteiro de Annaya sua profissão monástica ou seja os votos solenes de obediência, castidade e pobreza, no dia primeiro de novembro de 1853.


Ordenação Sacerdotal


Charbel, já professo, foi enviado ao mosteiro de São Cipriano em Kfifan (Batroun), que era na época o Escolasticado ou o Seminário de Teologia da Ordem Libanesa Maronita; neste mosteiro, ele foi aluno de nosso novo Beato Padre Nimatullah Kassab Al-Hardini, na Teologia e no caminho da santidade. Em todas as matérias, o irmão Charbel se destacava sempre entre os primeiros estudantes. Terminando o curso de Filosofia e de Teologia, Charbel foi ordenado sacerdote em 23 de julho de 1859, em Bekerké, sede patriarcal maronita. Recebeu em seguida a ordem de seus superiores para voltar ao mosteiro de São Marun de Annaya, onde permaneceu em comunidade - vida comum - antes de retirar-se definitivamente para uma vida de eremita. Neste mosteiro, sua vida era dividida entre as orações e o trabalho: "Ora et Labora".


Vocação de Eremita


Segunda a tradição monástica oriental, a vida monástica atinge o seu auge numa vida solitária: "Estar a sós com o Único". A vida comunitária era considerada como um período de transição ou de formação para uma vida propriamente eremita. Este ideal permanecia muito vivo na vida monástica maronita que preservava um posto de honra a seus eremitas. Atualmente, para tornar-se os êmulos de São Charbel, dois monges da Ordem Libanesa Maronita são já erectas: padre Antônio Chaina no cemitério de São Boula no mosteiro Santo Antão de Qozhaya, e padre João Khawand no eremitério de Santo Antão no mosteiro Nossa Senhora de Tamish. O Padre Charbel sentia a vocação para a vida solitária. Em várias ocasiões solicitou a autorização para retirar-se a um eremitério. Depois de muita insistência da parte de nosso Santo, e após uma comprovação da dita vocação da parte do superior da Ordem, foi-lhe concedida à autorização de viver num eremitério, pertencente ao mosteiro de São Marun de Annaya. Conforme as normas da Ordem Libanesa Maronita, o eremita permanece sob a jurisdição do superior de seu convento, fazendo parte da comunidade, e sua vida é das mais austeras.


Qual foi aquela comprovação?


Um dia, Padre Charbel levou sua lâmpada - não tinha na época energia elétrica - à cozinha a fim de que o servente a abastecesse de azeite. O servente e seu companheiro, que eram adolescentes, querendo zombar do humilde monge, encheram a lâmpada de água. Padre Charbel, agradecendo gentilmente o servente, se recolhe à sua cela e acende a lâmpada, e ela permanece acesa. Os serventes brincalhões estavam observando. Ao ver a luz na cela de nosso Santo, perturbaram-se e correram a relatar o fato ao padre superior. Este vai imediatamente à cela e verifica que, de fato, a lâmpada está acesa, mesmo contendo só água. Um destes serventes, de nome Saba Mussa, sobreviveu ao Padre Charbel e, na idade de 60 anos, deu, sob juramento, testemunho do ocorrido. No dia seguinte, o Padre Geral da Ordem, avisado deste milagre, autorizou imediatamente Padre Charbel a ocupar, no eremitério dos Santos Pedro e Paulo que pertence ao mosteiro de Annaya, a cela do padre Eliseo Kassab Al-Hardini, irmão de nosso novo Beato Nimatullah, que acabava de morrer. Assim Padre Charbel se tornou eremita no dia 15 de fevereiro de 1875, que era Ano Santo. Este eremitério está situado a 1.400 metros de altitude, e foi construído no ano 1798, dois séculos antes da morte de nosso Santo. O eremita tem de procurar ser um novo crucificado, um novo cordeiro da Páscoa na Igreja de Cristo. Assim, seus dias são divididos entre as preces e meditações continuas, e trabalhos braçais nas propriedades do convento, mas nas vizinhas do eremitério. O regulamento permite-lhe dormir cinco horas por dia, para passar o resto do tempo rezando, pois, conforme São Charbel: "A prece relaxa os membros mais eficazmente que o sono". Às vezes, nosso Santo permanecia horas e horas a fio ajoelhando diante o Santíssimo Sacramento. Sua cela tinha seis metros quadrados. Se encontrava nela : um colchão de folhas de carvalho, uma lâmpada de azeite, um prato de madeira sobre um banquinho, uma pedra que serve de cadeira, os livros de preces, particularmente "A Imitação de Jesus Cristo ". O eremita maronita tinha só uma refeição às 14:ao horas, que é composta por comida simples, em geral legumes verdes ou cozidos, cereais, azeitonas. Nunca comeu carne, nem frutas. Esta refeição é sempre entregue pelo convento. Bebeu só água. Padre Charbel dizia: "A pobreza favorece a salvação. A frugalidade fortalece a alma. Quero viver nas privações, ignorando os prazeres e as doçuras deste mundo. Quero ser o servidor de Cristo e de meus irmãos". Assim, o eremita Padre Charbel mal vestido, mas com vestes limpas, mal alimentado, mas com boa saúde, exposto sem defesa ao frio e ao calor, privado de qualquer conforto e qualquer ternura humana, era, entretanto, o homem mais feliz do mundo, pois o Senhor tornara-se sua verdade, sua força, sua riqueza, sua alegria e a razão da sua vida. Por isso, magro, seu rosto estava sempre radiante.