top of page
  • Foto do escritorSérgio Fadul / Franciscanos

São Barnabé


À exceção dos Doze Apóstolos e de São Paulo, São Barnabé é tido como o mais estimado missionário da primeira geração cristã. Saindo da sua habitual reserva, São Lucas se refere a ele com estima e a sua fama e áurea de santidade advém do fato de ser um grande pregador, de ter um excelente coração e de não ter preconceitos relativamente aos judeus, para além de ter tido a percepção do valor que São Paulo teria para a Igreja Cristã, quando defendeu e apoiou a veracidade da sua conversão. Barnabé, levita natural de Chipre, um dos 72 discípulos do Senhor, é mencionado com frequência e elogiosamente nos Atos dos Apóstolos.


Uma tradição tardia relembrada por Clemente da Alexandria e Eusébio sugere que São Barnabé seria um dos setenta discípulos, mas os Atos sugerem que se teria convertido ao cristianismo pouco depois do Pentecostes (29 ou 30 d. C.), vendendo os seus bens e dedicando a sua vida a Cristo.


Barnabé era da tribo de Levi e veio ao mundo na ilha de Chipre. Foi ali que estudou, na companhia de Paulo, com o célebre mestre Gamaliel, com quem aprendeu a firmeza de caráter, as ciências e as virtudes. Chamava-se José e, quando foi admitido entre os apóstolos, recebeu o nome de Barnabé, que significa “filho da consolação”, devido ao seu maravilhoso dom de acalmar e de consolar os aflitos. No quarto capítulo do Ato dos Apóstolos, Barnabé também é chamado de o “filho da exortação”.


São Barnabé foi quem apresentou Saulo, depois Paulo, aos Apóstolos (Act IX, 27) e foi com ele encarregado de pregar em Antioquia, na Síria, para onde levaram Marcos, o futuro Evangelista. Depois de consolidada, a Igreja de Antioquia sentiu-se inspirada pelo Espírito Santo a enviar como missionários Barnabé e Paulo para evangelizar os não crentes.


Partiram, juntamente com Marcos, para Chipre, a terra natal de Barnabé, que foi a primeira terra a ser evangelizada, passando depois a toda a Ásia Menor, onde em alguns locais terão sido violentamente perseguidos pelos judeus. Um dos episódios mais marcantes desta jornada foi em Lystra, onde os Apóstolos, tendo curado um homem, foram tomados por Mercúrio e Júpiter e a custo impediram que um boi lhes fosse sacrificado. A multidão, instigada pelos judeus, atacou-os posteriormente, tendo Paulo sido gravemente ferido.


Apesar das perseguições, Barnabé e Paulo converteram muitos gentios, fundando igrejas e ordenando sacerdotes, antes de voltarem para Antioquia, na Síria. Nesta cidade, o seu trabalho de evangelização foi ameaçado por pregadores vindos de Jerusalém que diziam que a circuncisão era necessária para a salvação divina, mesmo para os gentios. Dando-se conta de que esta doutrina seria prejudicial ao seu trabalho, Barnabé e Paulo dirigiram-se a Jerusalém para a combater. Reuniram-se então com os Apóstolos mais velhos no Concílio de Jerusalém (47-51 d. C.), a decisão foi-lhes favorável, para além de terem recebido uma recomendação para o seu trabalho.


Segundo uma antiga tradição, Barnabé pregava na sinagoga da Salamina quando foi interrompido por uma multidão de judeus fanáticos. O apóstolo foi sequestrado, levado para fora da cidade e apedrejado no ano de 61. Entretanto existe uma outra, tão antiga quanto esta, que narra Barnabé pregando em Alexandria e em Roma, e que diz, ainda, que teria sido consagrado o primeiro bispo de Milão, cidade que o tem como seu padroeiro até hoje.


São Barnabé, rogai por nós!



MARTIROLÓGIO ROMANO

11/06


1. Memória de São Barnabé, Apóstolo, que era um homem bom e cheio de fé e do Espírito Santo, contado entre os primeiros fiéis de Jerusalém. Pregou o Evangelho em Antioquia e introduziu entre os irmãos Saulo de Tarso, recém-convertido, acompanhando-o também na sua primeira viagem para evangelizar a Ásia. Participou no Concílio de Jerusalém e, voltando para a ilha de Chipre, sua pátria, aí propagou o Evangelho.

2. Em Nápoles, na Campânia, região da Itália, São Máximo, bispo, que foi mandado para o exílio pelo imperador Constâncio por causa da fé nicena, onde, consumido pelas tribulações, morreu como confessor da fé.

(† s. IV)


3. Em Bremen, na Saxónia, na atual Alemanha, São Remberto, bispo de Hamburgo e de Bremen, fiel discípulo e sucessor de Santo Óscar (ou Anscário), que expandiu o seu ministério até às terras da Dinamarca e da Suécia e, no tempo da invasão dos Normandos, se dedicou à libertação dos cristãos cativos.

(† 888)


4. Em Mogúncia, cidade da Francónia, também na atual Alemanha, São Bardão, bispo, que, depois de ser abade de Heresfeld, foi elevado à sede episcopal e trabalhou excelentemente pela sua Igreja com incansável solicitude pastoral.

(† 1051)


5. No mosteiro de La Cambre, próximo de Bruxellas, no Brabante, na atual Bélgica, Santa Alaíde, virgem da Ordem Cisterciense, que, atingida pela lepra aos vinte e dois anos de idade, foi constrangida a uma vida marginada e, nos últimos anos da sua vida, perdeu a vista e nem um só membro do corpo ficou são, exceto a língua para cantar os louvores de Deus.

(† 1250)


6. Em Treviso, no Véneto, região da Itália, São Páris, presbítero da Ordem Camaldulense, que, durante setenta e sete anos, ajudou as monjas com salutares conselhos de vida espiritual e morreu depois dos cento e oito anos de idade.

(† 1267)


7. Em Gniezno, na Polónia, a Beata Iolanda, abadessa, que, depois da morte do esposo, o duque Boleslau Pio, renunciando às riquezas terrenas, professou a vida monástica com sua filha na Ordem de Santa Clara.

(† 1298)


8. Em Saluzzo, no Piemonte, região da Itália, o Beato Estêvão Bandélli, presbítero da Ordem dos Pregadores, eminente na pregação e assíduo no ministério das confissões.

(† 1450)


9. Em Salamanca, na Espanha, São João de São Facundo González de Castrillo (São João de Sahagun), presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, que restaurou a concórdia entre os cidadãos, agitados em conflitos cruentos, com os seus conselhos particulares e a santidade da sua vida.

(† 1479)



10. Em Tortosa, na Espanha, Santa Rosa Francisca Maria das Dores (Maria Rosa Molas Vallvé), virgem, que transformou uma associação de piedosas mulheres na Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Consolação, destinada ao serviço dos atribulados.

(† 1876)


11. Em Roma, Santa Paula Frassinétti, virgem, que, superando muitas dificuldades iniciais, fundou a Congregação das Irmãs de Santa Doroteia, destinada à formação das jovens cristãs, dirigindo-a com grande fortaleza de alma, benevolente suavidade e enérgica atividade.

(† 1882)


12. Em Ragusa, na Sicília, região da Itália, a Beata Maria Schininá, virgem, que optou por viver com grande humildade e simplicidade para tratar os enfermos, os abandonados e os pobres, e fundou o instituto das Irmãs do Sagrado Coração de Jesus, destinado a prestar auxílio a todo o género de miséria.

(† 1910)


13. Em Kara-Kenpru, cidade próxima de Diyarbakir, na Turquia, o Beato Inácio Maloyan, bispo de Mardin dos Armenos e mártir durante o genocídio dos cristãos, perpetrado naquela região pelos perseguidores da fé. Tendo recusado abraçar uma religião diversa do cristianismo, depois de consagrado o pão para alimento espiritual do grupo dos companheiros de prisão, foi fuzilado juntamente com outros inúmeros cristãos, alcançando pelo derramamento do seu sangue a felicidade da paz eterna.

(† 1915)


14. Em Viena, na Áustria, Santa Hildegarda Burjan, mãe de família, que, convertida do judaísmo ao catolicismo, fundou a organização feminina Cáritas Socialis, destinada a várias obras de assistência social e caritativo.

(† 1933)

174 visualizações

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page