• Sérgio Fadul - Wikipédia

São Marcos Evangelista


São Marcos Evangelista (em grego: Μάρκος; em hebraico: מרקוס; em árabe egípcio: مرقص; em copta: Μαρκοϲ; c.10 a.C. — Alexandria, 25 de abril de 68) foi discípulo do apóstolo São Paulo de Tarso e posteriormente de São Pedro. É tradicionalmente considerado como o autor de um dos Evangelhos. Ele é também um dos Setenta Discípulos e venerado como santo por várias igrejas cristãs, dentre as quais a católica, a ortodoxa e a copta, a qual o considera propriamente o patriarca, fundador da Igreja de Alexandria, uma das principais sedes do cristianismo primitivo.


A tradição cristã o identifica com o João Marcos (em grego: Μάρκος Ιωάννης, transl. Márkos Iōánnēs), mencionado como companheiro de São Paulo nos Atos dos Apóstolos, e que posteriormente teria se tornado um discípulo de Simão Pedro (São Pedro). Uma tradição anterior, relatada já no século II-III d.C. por Hipólito (obra espúria; "Sobre os Setenta Apóstolos") distingue os dois. De acordo com ele, São Marcos, o evangelista, de 2 Timóteo 4, 11 é diferente de João Marcos (de Atos do Apóstolos 12, 12-25, Atos dos Apóstolos 13, 5-13 e Atos dos Apóstolos 15, 37) e Marcos, primo de Barnabé (de Colossenses 4, 10 e Filemon 24, 1). Todos eles pertenceriam aos "Setenta Discípulos" que foram enviados por Jesus para saturar a Judeia com o evangelho (veja São Lucas 10, 1-16).


De acordo com Santo Eusébio de Cesareia (Hist. Ecl. II. 9, 1-4), Herodes Agripa I em seu primeiro de governo sob toda a Judeia (41 d.C.) matou São Tiago menor, filho de Zebedeu, e prendeu São Pedro, planejando matá-lo após a Páscoa judaica. São Pedro foi salvo milagrosamente por anjos e escapou do reino de Herodes (Atos dos Apóstolos 12, 1-19). Depois de muitas viagens pela Ásia Menor e pela Síria, ele chegou em Roma no segundo ano do imperador Cláudio (42 d.C.). Em algum ponto pelo caminho, São Pedro encontrou São Marcos, o evangelista, restaurou sua fé (após ele ter deixado Jesus em São João 6, 44-66), e tomou-o como companheiro de viagem e intérprete. A pregação de Pedro na cidade teve tanto sucesso que ele foi presenteado pelos habitantes da cidade com uma estátua e, a pedidos da população, São Marcos escreveu os sermões de Pedro, compondo assim o Evangelho segundo São Marcos (Hist. Ecl. II 15 e 16) antes de partir para Alexandria no terceiro ano de Cláudio (43 d.C.).


Lá, ele fundou a Igreja de Alexandria, cuja sucessão até os dias de hoje é alegada por diversas diferentes denominações (veja Patriarca de Alexandria), mas principalmente pela Igreja Ortodoxa Copta. Aspectos da liturgia copta podem referenciados ao próprio São Marcos. Ele então se tornou o primeiro bispo de Alexandria e tem a honra de ser também o fundador do Cristianismo na África.


Ainda de acordo com Eusébio (Hist. Ecl. II 24, 1), o sucessor de Marcos como bispo de Alexandria foi Aniano, no oitavo ano do imperador Nero (62-63 d.C.), provavelmente (mas não certamente) por conta de sua morte. Tradições coptas posteriores dizem que ele foi martirizado em 68 d.C.


A evidência de que o autor do Evangelho que tem o seu nome é Marcos vem de Pápias de Hierápolis, nos fragmentos de sua "Exposição dos oráculos do Senhor".


Muita confusão já se criou por conta de mistura de São Marcos, o evangelista, com João Marcos e o Marcos, primo de Barnabé. Esta mistura acabou provocando uma diminuição de importância de Barnabé, de um verdadeiro "Filho do Conforto" para um que favorece seus parentes sobre outros princípios: p. 55-56. Foi para a casa de Maria, mãe de João Marcos, que São Pedro retornou após ser libertado da prisão. Esta casa era o local de encontro dos primeiros cristãos, "muitos" dos quais estavam ali orando na noite em que ele foi libertado (Atos 12, 12-17).


A mistura com João Marcos levou a diversas especulações. Uma o identifica como o homem que carregou água para a casa onde a Última Ceia foi realizada (São Marcos 14, 13): p. 172. Já outra o identifica como sendo o jovem que correu nu quando Jesus foi preso (São Marcos 14, 51-52): p. 179. E elas podem até ser verdadeiras para João Marcos, uma vez que era na sua casa que se localiza o quarto superior (das reuniões), mas é improvável que tenha qualquer relação com o evangelista.


A Igreja Ortodoxa Copta mantém a tradição de que Marcos, o evangelista, foi um dos Setenta Discípulos enviados por Cristo, o que é confirmado pela lista de Hipólito. Porém, a Ig