• Vatican News

Nas catacumbas, Papa recorda dos cristãos perseguidos, “mais do que nos primeiros séculos”

Atualizado: 27 de Dez de 2020

Na celebração no dia de Finados, Santo Padre também chamou a atenção mais uma vez de que as Bem-Aventuranças e o Grande Protocolo (Mateus 25) são nossa identidade de cristãos, "sem isso, não há identidade", e que "o lugar do cristão está nas mãos de Deus, chagadas de amor."

_______________________________

Em 2018, a escolha do Santo Padre para a celebração dos Fiéis Defuntos recaiu sobre o Cemitério Laurentino, uma área de 27 hectares na zona rural de Roma, onde se deteve diante dos túmulos de crianças falecidas prematuramente por doenças, acidentes ou nunca nascidas, o chamado “Jardim dos Anjos”.


Desta vez, o Papa quis presidir a celebração Eucarística nas Catacumbas de Priscila, a “regina catacumbarum” como era denominado por todos os documentos topográficos e litúrgicos antigos o cemitério dos mártires localizado na Vila Salária, em Roma.


O Papa Francisco não levou consigo nenhum texto preparado, tendo pronunciado sua homilia de forma espontânea:


“A celebração da festa de todos os falecidos em uma catacumba - para mim é a primeira vez na vida que entro em uma catacumba - é uma surpresa; e também nos diz muitas coisas. Podemos pensar na vida dessas pessoas, que tinham que se esconder, que tinham essa cultura de sepultar os mortos e celebrar a Eucaristia aqui ... é um momento da história difícil, mas que não foi superado: também hoje existem. Existem tantas. Tantas catacumbas em outros países onde até mesmo devem fingir fazer festa ou um aniversário para celebrar a Eucaristia, porque naquele lugar é proibido fazê-lo: também hoje existem cristãos perseguidos, mais do que nos primeiros séculos. Mais! Isso - as catacumbas, a perseguição, os cristãos - e essas leituras me fazem pensar em três palavras: a identidade, o lugar e a esperança.


A identidade dessas pessoas que se reuniam aqui para celebrar a Eucaristia e para louvar ao Senhor é a mesma de nossos irmãos hoje em tantos, tantos países onde ser cristão é um crime, é proibido: eles não têm o direito. A mesma coisa. Esta é a identidade que ouvimos: são as Bem-Aventuranças. A identidade do cristão é esta: as Bem-Aventuranças. Não há outra. Se você faz isso, se você vive assim, você é um cristão. "Não, mas, veja, eu pertenço a essa associação, àquela outra ... e pertenço a esse movimento ...": sim, sim, sim, todas coisas belas. Mas essas são fantasias diante dessa realidade. A sua carteira de identidade é essa e, se você não a tiver, serão inúteis os movimentos ou outras pertenças. Ou você vive assim ou não é cristão. Simplesmente: o Senhor disse isso. "Sim, mas não é fácil, não sei como viver assim ...": mas há outra passagem do Evangelho que nos ajuda a entender melhor isso, e também essa passagem do Evangelho será o "Grande Protocolo" com [segundo] o qual seremos julgados. É Mateus 25. Com essas duas passagens do Evangelho, as Bem-Aventuranças e o Grande Protocolo, nós mostraremos, vivendo isso, nossa identidade de cristãos. Sem isso, não há identidade. Há uma pretensão de ser cristão, mas não uma identidade.


Essa é a identidade do cristão. A segunda palavra: o lugar. Essas pessoas que vinham aqui para se esconder, para estarem seguras, também para sepultar os mortos, aqui; aquelas pessoas que celebram hoje a Eucaristia em segredo, naqueles países onde é proibido - penso naquela freira da Albânia que estava em um campo de reeducação, na época do comunismo, e era proibido aos sacerdotes darem os Sacramentos, e esta freira, ali, batizava em segredo. As pessoas, os cristãos, sabiam que essa freira batizava e as mães se aproximavam com a criança; mas ela não tinha um copo, algo para colocar água ... Com os sapatos, tirava água do rio e batizava com sapatos. O lugar do cristão está em todo lugar: nós não temos um lugar privilegiado na vida. Alguns querem tê-lo - são cristãos qualificados. Mas eles correm o risco de permanecer com o "qualificados" e abandonar o "cristão". Os cristãos, qual é o lugar deles? "As almas dos justos estão nas mãos de Deus": o lugar do cristão está nas mãos de Deus, onde Ele quer. As mãos de Deus que são chagadas, que são as mãos de seu Filho que quis levar consigo as feridas para mostrá-las ao Pai e interceder por nós. O lugar do cristão é na intercessão de Jesus diante do Pai: nas mãos de Deus, e ali estamos seguros. Aconteça o que acontecer, mesmo a Cruz: mesmo, a nossa identidade diz que daremos graças se nos perseguirem, tudo o que disserem contra nós; mas se estivermos nas mãos de Deus chagadas de amor, estaremos seguros. Este é o nosso lugar.


E hoje podemos nos perguntar: mas eu, onde me sinto mais seguro? Nas mãos de Deus ou com outras coisas, com outras seguranças que nós "alugamos", mas que no final caem, que não têm consistência? Esses cristãos com essa carteira de identidade que viviam e vivem nas mãos de Deus, são homens e mulheres de esperança: e esta é a terceira palavra que me ocorre hoje: esperança.