• Sérgio Fadul - Enciclopédia Católica

São Luis Beltran


São Luís Beltrán, Apóstolo da Colômbia


A cidade de Valência, imortalizada por El Cid e por São Vicente Ferrer, viu nascer em seu seio em 1526 outro grande santo, João Luís Beltrán, parente remoto do segundo. Primogênito dos nove filhos do notário de mesmo nome, o menino recebeu desde cedo a esmerada educação cristã de toda aquela prole, que levou-a a distinguir-se no caminho da virtude.


Sua devoção à Rainha do Céu era profunda. Já aos oito anos de idade começou a rezar seu Ofício, o que faria por toda a vida.


Dizem seus biógrafos que Luís era tão respeitoso e obediente a seus pais, modesto na escola e religioso na igreja, que muitos já previam nele um grande santo.


Apesar de sua extrema piedade, Luís só pôde fazer a primeira comunhão aos 15 anos, devido ao costume da época, recebendo então licença de seu confessor para comungar três vezes por semana, o que era então raro.


Mas só isso não contentava o adolescente. Julgando que não lhe era possível servir mais perfeitamente a Deus rodeado do carinho dos seus, fugiu de casa para ir a algum lugar onde não fosse conhecido nem benquisto. Mas o pai foi ao seu encalço, trazendo-o de volta para o lar. Sabendo, porém, que o filho queria consagrar-se a Deus, propôs-lhe começar a usar já o hábito clerical, como futuro sacerdote diocesano.

Não era este o desejo de Luís. Já fazia algum tempo que desejava entrar na Ordem Dominicana, então florescente. Por isso, certo dia, sem dizer nada ao pai, foi ao convento dessa ordem em Valência, pedindo admissão. Mas o pai adiantou-se, pintando ao prior do convento com tintas tão pretas as enfermidades e achaques do rapaz, que lhe tornava impossível a vida no claustro. O prior prometeu que, enquanto fosse superior, não daria o hábito ao filho.


Quando ele foi substituído, e depois de muito insistir, Luís conseguiu ser admitido na Ordem em agosto de 1544.


No princípio de seu noviciado, pensou em deixar os estudos para entregar-se mais à oração e à contemplação. Mas reconheceu nisso uma tentação do demônio, para evitar que ele tomasse a via para a qual Deus o chamava, e na qual poderia ser depois mais útil às almas. Passou a dedicar então muitas horas ao estudo, não considerando malogradas essas horas não dedicadas à contemplação.


As terríveis penas do Purgatório


Em 1548 foi enviado para o convento de Lombay, recém- fundado pelo Duque de Gandia, São Francisco de Borja. Pouco tempo ficou ali, pois teve que acorrer junto ao pai, que agonizava. Vendo-o chegar, o moribundo lhe disse: “Meu filho, uma das coisas que me deu maior pena nesta vida foi ver-te frade. E agora, o que me dá mais consolo, é ver que tu o és. Eu te encomendo minha alma. Lembra-te de mim depois que eu parta”.

São Luís assistiu o pai em sua morte, depois da qual Nosso Senhor lhe revelou os muito