• Sérgio Fadul - Basílica Santa Teresinha

Santa Helena de Constantinopla


Santa Helena é a mãe do imperador romano Constantino Magno. Ela nasceu na Bitínia, uma província do Império Romano. Era de família simples, plebeia. Casou-se com um tribuno militar chamado Constâncio Cloro. Deste casamento nasceu Constantino no ano 285, o futuro imperador romano e primeiro imperador cristão.


Provações de Santa Helena


O imperador Maximiano, quis unir-se a Constâncio Cloro, marido de Helena, para o governo Romano. Mas, para isso, impôs uma condição: que ele deixasse Helena e casasse com Teodora, parente do imperador. Santa Helena passou para segundo plano, mas pôde cuidar da educação do filho Cons­tantinho e criar grande laço com ele. Ele, por sua vez, crescia no exército romano por causa de sua coragem e inteligência.


Reviravolta


Depois da morte de Constâncio Cloro, Constanti­no, filho dele e de Santa Helena, foi aclamado Augusto Imperador Romano. Isso aconteceu no ano 306, na região inglesa de York, através das legiões da Bretanha, pelo fato importantíssimo de Constantino vencido a batalha. Assim, Santa Helena voltou a viver na corte e recebeu do filho o título de “Mulher Nobilíssima”. Depois disso, ainda recebeu a mais alta honra que uma mulher po­deria receber em Roma: o título de “Augusta”.


Liberdade aos cristãos


Estava começando um novo tempo para o cristianismo. Até o ano de 313, Helena e Constantino ainda não eram cristãos. Mas, na batalha de Constantino contra Maxêncio, ocorreu um fato extraordinário. A situação era favorável a Maxêncio. Constantino, porém, con­trário às perseguições contra o cristianismo, teve uma visão: uma cruz brilhante no céu, e as palavras: "Com este sinal vence­rás". Constantino, então, mandou pintar as bandeiras e estandartes de seu exército com esta cruz e venceu. Este acontecimento causou a conversão de Constantino e de Helena. Constantino ordenou o fim das perseguições contra os cristãos, através do famoso documento chamado “Edito de Milão”, no ano 313. Graças ao Édito, o cristianismo passou a ter os mesmos direitos das outras religiões. Anos mais tarde, o imperador Teodósio fez do cristianismo a religião oficial do Império Romano.


Conversão de Santa Helena


Ao contrário do filho Constantino, que só se batizou perto de sua morte, Helena quis ser batizada e assumir a fé cristã desde que seu filho venceu a batalha contra Maxêncio. Santa Helena, ao longo de sua vida mostrou grande fervor. Este fervor aparecia em grandes obras assistenciais e na construção de várias igrejas em lugares santos.


Praticante da fé


Santa Helena procurou se instruir na fé cristã e mostrou grande piedade ao longo de sua vida. Por isso, o imperador Constantino recompensou seus méritos e lhe deu o título honroso de “Augusta”. Além disso, mandou cunhar moedas com a imagem da rainha sua mãe. Santa Helena, por sua vez, dedicou toda sua influência e ações para proteger a fé cristã, que emergia das catacumbas para o tempo da liberdade. O maior desejo de Santa Helena era visitar a Terra Santa. Apesar da idade e das agruras da viagem, ela conseguiu realizar seu sonho, visitando os luga­res santos, promovendo o culto e mandando construir igrejas na Palestina.


Interesse pela arqueologia


Santa Helena foi acompanhar es­cavações começadas em Jerusalém pelo bispo chamado São Macário. Este en­controu o Santo Sepulcroescavado na rocha, a Cruz de Jesus e as duas cruzes dos ladrões. Santa Helena acompanhou tudo isso cheia de piedade e felicidade. O fato causou grande conforto para todos os cristãos. En­tusiasmada com este acontecimento, ela mandou que procurassem a gruta do nascimento de Jesus e o lugar sobre o Monte das Olivei­ras onde Jesus falou com seus discípulos antes da Ascenção. Depois dessas descobertas, Santa Helena dedicou-se à construção de outras igrejas. Uma delas, que fica no monte das Oliveiras, recebeu mais tarde o nome de Santa Helena.


Após ter algumas visões, Santa Helena viveu a felicidade de proporcionar o reencontro da verdadeira Cruz de Cristo. Este acontecimento levou à instituição da festa litúrgica da Santa Cruz. Essa descoberta de Santa Helena é atestada pelos escritores Sulpicius Severus e Rufinus, no século IV. Pedaços da cruz ficaram em Jerusalém e outros foram levados para Roma. Alguns desses fragmentos foram distribuídos em várias igrejas. O desejo de Santa Helena é que a cruz estivesse em toda a Igreja.


O amor de Santa Helena aos necessitados


A generosidade de Santa Helena era grande. Ela ajudava os indivíduos e comunidades inteiras. Os pobres eram objetivos especiais deste seu grande amor. Ela visitava igrejas e comunidades fazendo grandes doações. Ela construiu a Basílica da Natividade, em Belém, que dura até hoje, e a Basílica da Ascensão de Jesus, no Monte das Oliveiras. Ajudou na construção de mosteiros e ela própria vivia num convento na Palestina, participando com grande devoção de todos os exercícios de fé e piedade.


Devoção à Santa Helena


Pressentindo sua morte, Santa Helena voltou para perto do filho Constantino, e veio a falecer em 330, aos 80 anos. Seu corpo foi trasladado para Constantinopla e colocado na cripta da Igreja dos Apóstolos. Mais tarde, seus restos mortais foram transferidos para a Abadia de H