• Sérgio Fadul - Basílica Santa Teresinha

Santo Estevão da Hungria


SANTO ESTEVÃO - O APÓSTOLO DOS HÚNGAROS - PADROEIRO DA HUNGRIA, DOS PEDREIROS E CONSTRUTORES - 15 DE AGOSTO

O Rei Estêvão, o Grande, ou Santo Estêvão da Hungria (Szent István király em húngaro), c. 975 - 15/08/1038, foi o primeiro rei da Hungria. Seu pai foi o chefe tribal magiar Géza; sua mãe chamava-se Sarolt, e Estêvão recebeu ao nascer o nome de Vajk (que significa "herói").



Nascido na cidade de Esztergom, Vajk foi batizado aos 10 anos de idade por Santo Adalberto de Praga, como pré-condição para receber de Roma a coroa da Hungria, e então renomeado Estêvão, em homenagem ao mártir da igreja primitiva, Santo Estêvão protomártir.


Casou-se, ao que parece em 995, com a beata Gisela da Baviera, filha do Henrique II da Baviera e de Gisela da Borgonha.


Estêvão e Gisela tiveram ao menos três filhos, cujos nomes a história registrou: os varões Américo (Imre) e Otão (Ottó) e a filha Edviges (Hedvig).


Ao que parece, Estêvão sobreviveu a todos os seus filhos, de modo que, após a sua morte, a coroa foi disputada por seus sobrinhos e primos.


A COROA DE SANTO ESTEVÃO DA HUNGRIA, PRESENTE DO PAPA SILVESTRE II.


Após derrotar os nobres pagãos que se lhe opunham e unificar as tribos magiares, reza a tradição que Estêvão recebeu do Papa Silvestre II uma coroa de ouro e pedras preciosas (a qual, denominada "Santa Coroa", tornou-se o símbolo do país), juntamente com uma cruz apostólica e uma carta de bênção em janeiro de 1001, com o que o papado o reconhecia como um rei cristão na Europa.


Santo Estevão, rei da Hungria, é indubitavelmente quem deu ao povo nômade dos magyares, procedente da Ásia e que no final do século IX se haviam assentado ao longo do Danúbio, a estabilidade política definitiva, sobretudo, no catolicismo.


Povo guerreiro e feroz, foi durante algum tempo o terror dos vizinhos territórios cristãos; porém, convertido ao cristianismo, foi posteriormente o mais deicidido campeão na fé.


Geza, o terceiro de seus duques depois de seu estabelecimento no centro da Europa, compreendeu a necessidade de orientar seu povo ao cristianismo, que professavam os povos circunvizinhos e, sob o influxo de São Alberto de Praga, recebeu o batismo. Seu exemplo foi seguido por um bom número da nobreza; porém, evidentemente se tratava, em sua maioria, de conversões nominais.


O que deu o passo definitivo e logrou enraizar definitivamente o cristianismo no povo magyar foi o filho de Geza, chamado Vaik, batizado juntamente com seu pai quando só contava dez anos, e que recebeu o nome de Estevão.