• Sérgio Fadul - Wikipédia

Santa Bernadette de Soubirous


Marie-Bernard Soubirous ou Maria Bernarda Sobeirons em occitano (Lourdes, 7 de Janeiro de 1844 — Nevers, 16 de Abril de 1879)


Filha de um pobre moleiro chamado Francisco Soubirous e de Luísa Castèrot, a francesa Bernadette foi a primeira de nove filhos. Na infância, ela trabalhou como pastora e criada doméstica. O pai esteve preso sob a acusação de furto de farinha, contudo foi absolvido.


Durante os dez primeiros anos, a menina morou no moinho de Boly (onde nasceu).[2] Passando por graves dificuldades financeiras, a família mudou-se depois para Lourdes, onde vivia em condições de miséria, morando no prédio da antiga cadeia municipal, que fora abandonado pouco antes. Apesar de parecer insalubre, todos viviam no andar superior do edifício, ocupado pelo primo de Francisco Soubirous, pai de Bernadette,. Era um buraco infecto, sombrio, e a divisão inabitável da antiga prisão abandonada por causa da insalubridade.


Desde pequena, Bernadette teve a saúde debilitada devido à extrema pobreza de sua habitação. Nos primeiros anos de vida foi acometida pelo cólera, o que a deixou extremamente enfraquecida. E, por causa também do clima frio no inverno, adquiriu asma, aos 10 anos. Tinha dificuldades de aprendizagem formal e na catequese, o que fez com que a sua primeira comunhão fosse atrasada. Não pôde frequentar a escola, mantendo-se analfabeta até os 14 anos.


No dia 11 de fevereiro de 1858, em Lourdes - cidade com cerca de quatro mil habitantes -, Bernadette disse ter visto a aparição de uma "senhora" envolta em luz na gruta denominada massabielle ( "pedra velha" ou "rocha velha"), junto à margem do rio Gave. Outras aparições sucederam até que Bernadette perguntou à "senhora" quem ela era. Segundo seu relato ao pároco local, Pe. Dominique, a resposta foi: "Sou a Imaculada Conceição".O que causou espanto e comoção ao padre, que sabia que a moça não estava inventando: ela não tinha nenhum conhecimento do significado de suas palavras, muito menos conhecimento do dogma "Imaculada Conceição", então recentemente promulgado pelo Papa.


Enquanto o assunto era submetido à hierarquia eclesiástica, que se comportava com cética prudência, curas cientificamente inexplicáveis foram verificadas na gruta de "massabielle". Em 25 de fevereiro de 1858, na presença de uma multidão, surgiu sob as mãos de Bernadette uma fonte - que jorra água até os dias de hoje, cerca de cinco mil litros por dia.


Sofrimento para atestar a verdade


Bernadette afirmou ter tido 18 visões da Virgem Maria, no mesmo local, entre 11 de fevereiro e 16 de julho de 1858. E defendeu a autenticidade das aparições com uma firmeza incomum para uma adolescente com temperamento humilde e obediente, além de níveis baixíssimos de instrução e sócio-econômico. Manteve-se contra a opinião de sua família, do clero e das autoridades públicas. Foi submetida, pelas autoridades civis, a métodos de interrogatórios, constrangimentos e intimidações inadmissíveis. Mas nunca vacilou em afirmar, com toda a convicção, a autenticidade das aparições, o que fez até a sua morte, em 1879.


Em 1860, para fugir à curiosidade geral e assédio, Bernadette refugiou-se, como "pensionista indigente", no Hospital das Irmãs da Caridade de Nevers, em Lourdes. Ali recebeu instrução e, em 1861, fez de próprio punho o primeiro relato escrito das visões de Nossa Senhora. No dia 18 de janeiro de 1862, Monsenhor Bertrand Sévère Laurence, Bispo de Tarbes, reconheceu pública e oficialmente a realidade do fato das aparições.


Em julho de 1866, Bernadette inicia o noviciado no convento de Saint-Gildard e, em 30 de outubro de 1867, faz a profissão de religiosa da Congregação das Irmãs da Caridade de Nevers. Dedicou-se à enfermagem até ser imobilizada, em 1878, pela doença que lhe causou a morte.


Uma imensa multidão[5] assistiu ao seu funeral, em 19 de abril de 1879, sendo necessário ser adiado por causa da grande afluência de pessoas. Em 20 de agosto de 1908, Monsenhor Gauthey, bispo de Nevers, constituiu um tribunal eclesiástico para investigar "o caso Bernadette Soubirous".


Em virtude das divulgadas manifestações divinas nos arredores da cidade, uma grande massa peregrinatória se formou em direção à gruta, estimulada pelos rumores de curas milagrosas por intermédio da água da fonte de Nossa Senhora de Lourdes.


A pedido do comissário de polícia, Jacomet, o prefeito de Lourdes, Alexis Lacadé, tomou a decisão de proibir, a partir de 8 de junho de 1858, o acesso à gruta. Três meses depois, o Imperador Napoleão III e a Imperatriz Eugênia estavam em Biarritz. E a imperatriz, informada dos acontecimentos ocorridos em Lourdes, solicitou ao imperador que pedisse explicações ao arcebispo de Auch, metropolitano de Tarbes e Lourdes. Depois, determinou ao ministro de Cultos: "Desejo que o acesso à gruta fique livre, como também o uso da água do manancial." No dia 2 de outubro de 1858, foi retirada a proibição de acesso à Gruta de Massabielle. E Lourdes, rapidamente, tornou-se um dos mais importantes centros de peregrinação da cristandade, até hoje.


O milagre do círio

Segundo o biógrafo de Bernadette, Francis Trochu, os fatos foram acompanhados de perto pelo doutor Douzous, na época médico de Lourdes - um burguês conhecido por sua ciência e filantropia, mas que não era frequentador da Igreja, salvo em eventos sociais ou festas oficiais. Em razão do "milagre do círio", em 7 de abril de 1858, durante a 17.ª aparição da Virgem, o Dr. Douzous se convenceu da boa-fé de Bernadette. Naquele dia, o médico observou que enquanto se encontrava em "êxtase" Bernadette tinha na mão direita um círio grande aceso, e, a certa altura, todos viram com assombro e pavor a chama do círio enrolar-se à volta da sua mão esquerda sem a queimar.


O médico observou o fenômeno atentamente com o relógio em punho: o acontecimento durou 15 minutos. Ao fim do êxtase, ele examinou a mão de Bernadette e não viu sinal de queimadura. Tentou, então, aproximar a chama das suas mãos após a sua volta ao estado normal, o que a fez reagir e gritar: "Mas o senhor está queimando-me". Perplexo, o médico declarou acreditar por ter visto com os próprios olhos.


A cura de uma deficiente

Catarina Latapié, após uma queda de um carvalho, no qual subira para tirar bolotas para os porcos, teve o braço deslocado e dois dedos da mão direita dobrados, paralisados. O fato aconteceu em outubro de 1856, e o médico só conseguiu consertar o seu braço, mas os dedos não tiveram jeito. E isso a impedia de fazer o seu trabalho, não a deixava tricotar e nem fiar; estava sendo a sua ruína.


Apesar de encontrar-se grávida de 9 meses, saiu a pé de sua casa na noite do dia 28 de fevereiro para Lourdes, distante 7 quilômetros, levando os seus dois filhos mais novos. Assistiu à Aparição do dia 1.º de março e fez fervorosas preces a Deus por intercessão de Nossa Senhora, pedindo a cura dela. Terminada a aparição, sobe até o fundo da gruta e mergulha a mão na fonte que tinha formado, cujas águas deslizavam mansamente formando um pequeno regato que corria para o Gave.[8]E fica curada.


A cura de um tuberculoso

Uma mãe, cujo filho era portador da tuberculose, desenganado pela medicina, vai até o Convento onde Bernadette se encontrava, levando consigo a coberta do berço da criança, com pretexto de que o bordado não estava terminado. Sempre disposta a ajudar, Bernadette termina o bordado da manta, decorando-a com motivos e rendas rebuscadas. Após deitar a criança doente no berço forrado, ela se cura milagrosamente de sua enfermidade.


A cura de uma menina que não andava

Em outra oportunidade, uma mãe com sua filha, que tinha uma incurável enfermidade que a impedia de andar, decidiu levá-la ao Convento. Enquanto falava à mãe, a Madre confiou a menina aos braços de Bernadette, recomendando que não a pusesse no chão. Quando a Superiora foi procurá-la, encontrou-a chorando, com receios de ser censurada. É que a criança debatera-se de tal modo nos braços de Bernadette, que ela se viu obrigada, apesar da proibição, a colocá-la no chão, por onde andava e corria com toda alegria, em volta dela.


Impacto de suas visões


Assim como qualquer local onde houve ou há manifestações de uma força sobrenatural, Lourdes é hoje um grande centro de peregrinação católica, com cerca de 6 milhões de visitantes anuais,[11]interessados não somente no turismo religioso, mas também na história, arquitetura e belezas naturais singulares da pequena cidade.[12] Tal massa turística injeta dezenas de milhões de euros no comércio geral, o que transforma Lourdes numa parte importante do PIB francês. Além disso, as visões de Bernadette, junto às de Fátima, em Portugal, foram as mais famosas de uma série de manifestações Marianas (de Maria) que fortaleceram ainda mais a veneração à Nossa Senhora, mãe de Jesus. Houve também a confirmação do dogma da Imaculada Conceição, que fora declarado pelo Papa pouco tempo antes.


Canonização


Em 8 de Dezembro de 1933, festa da Imaculada Conceição, Bernadette foi canonizada como Santa Bernadette de Lourdes, pelo Papa Pio XI, depois de terem sido reconhecidas pela Santa Sé as virtudes pessoais e curas milagrosas a ela atribuídas após a morte. Sua festa litúrgica é celebrada na Igreja Católica no dia 16 de abril. Na França, é celebrada no dia 18 de fevereiro. A ela tem sido atribuídos vários milagres. Em 1983, o Papa João Paulo II esteve em Lourdes em peregrinação, e ali retornou em agosto de 2004.


Veneração popular

Bernadette Soubirous é, seguramente, uma das personalidades femininas mais veneradas por dulia ao redor do mundo. Tal título, pode ser expresso pelo relativamente curto período tempo a qual foi sujeita às burocracias impostas pela Santa Sé para que lhe fosse autorizado o culto público legal. O fato de seu corpo incorrupto (o qual lhe rendeu o nome popular de "Santa Dormente"), seus supostos milagres não-póstumos e as crenças acerca de suas visões da Virgem Maria em Lourdes, foram fatores decisivos para que a população de Nevers, onde morreu, da França e até mesmo da Europa rapidamente a incorporassem como santa, até mesmo antes de sua morte. Pressionados pela grande massa popular que queria Bernadette canonizada, o então Papa autorizou seu culto como venerável.


Corpo incorrupto

Primeira exumação

O corpo incorrupto de Santa Bernadette de Lourdes. Após quase 150 anos, não existe o mínimo sinal de putrefação.


Em 22 de setembro de 1909, trinta anos após o velório, seu cadáver foi exumado e o corpo encontrado intacto.


-Relatório dos Drs David e Jordan, que conduziram a primeira exumação:


“O caixão foi aberto na presença do Bispo e do Prefeito de Nevers, seus principais representantes e diversos religiosos. Não notamos nenhum odor. O corpo estava vestido com o Hábito da Ordem a que pertencia Bernadette. O Hábito estava úmido. Apenas a face, mãos e antebraços estavam descobertos." "A cabeça estava inclinada para a esquerda. A face estava lânguida e branca. A pele estava apegada aos músculos e estes apegados aos ossos. As cavidades oculares estavam cobertas pelas pálpebras[...] Nariz dilatado e enrugado. Boca levemente aberta e se podia ver os dentes no lugar. As mãos, cruzadas sobre o peito, estavam perfeitamente preservadas, bem como suas unhas. As mãos seguravam um terço. Podia se observar as veias no antebraço." "Os pés estavam enrugados e as unhas intactas Quando o Hábito foi removido, e o véu levantado de sua cabeça, pode se observar um corpo rígido, pele esticada[...] Seu cabelo estava com um corte curto e bem preso à cabeça. As orelhas estavam em perfeito estado de conservação[...] O abdome estava esticado, assim como o resto do corpo. Ao ser tocado, tinha um som como de papelão. O joelho direito estava mais largo que o esquerdo. As costelas e músculo