• Sérgio Fadul - Arautos do Evangelho

São Cirilo e São Metódio


No dia 14 de março a Igreja celebra a memória de São Cirilo e São Metódio. A festa litúrgica dos dois irmãos de Salônica havia sido fixada pelo Papa Leão XIII no dia 7 de julho. Porém o Concílio Vaticano II, transferiu a festa para o dia 14 de fevereiro, data de nascimento para o céu de São Cirilo.


O Papa João Paulo II, na comemoração do undécimo centenário da obra de evangelização dos dois Santos, publicou a Carta Encíclica “Slavorum Apostoli”, datada de 2 de junho de 1985. Com base nesse documento do Papa polonês, extraímos um pouco da história desses apóstolos dos Elavos.


Primórdios de uma vocação


Os dois irmãos nasceram na cidade de Salônica em pleno século IX.


Metódio, muito provavelmente recebeu por nome de batismo: Miguel. O mais velho dos irmãos nasceu entre 815 a 820. Constantino, mais conhecido por seu nome de religião, Cirilo, era o mais novo, tendo nascido por volta do ano de 827 ou 828.


O pai deles possuía um alto cargo na administração imperial, e as condições familiares abriam aos irmãos a perspectiva de uma carreira análoga. Metódio chegou a desempenhar o cargo de arcoente, quer dizer, o representante de uma das províncias da fronteira, onde habitavam muitos eslavos. Entretanto, no ano de 840, abandonou sua carreira para recolher-se em um dos mosteiros localizados no sopé do monte Olimpo, na Bitínia, conhecido como Montanha Sagrada.


Cirilo concluiu seus estudos em Bizâncio, onde após ter recusado brilhante carreira política, recebeu as ordens sacras.


Ainda jovem tornou-se secretário do Patriarca de Constantinopla e bibliotecário do Arquivo anexo à grande igreja de Santa Sofia, na mesma cidade.


Desejoso de dedicar-se mais aos estudos e à vida contemplativa, refugiou-se secretamente num mosteiro às margens do Mar Negro. Após seis meses foi descoberto, e persuadido a aceitar o ensino das disciplinas filosóficas na Escola superior de Constantinopla, o que lhe valeu o epíteto de Filósofo, do qual ainda hoje é conhecido.


Após ter bom êxito em uma missão junto aos sarracenos, retirou-se da vida pública e uniu-se ao irmão mais velho, para com ele partilhar da vida monástica.


Missão em Morávia


O príncipe Ratislau, da Grande Morávia, enviou ao imperador Miguel III uma petição, no sentido de enviar aos seus povos um bispo e mestre que estivesse em condições de explicar-lhes a verdadeira fé cristã na sua língua.


São Cirilo e São Metódio foram os escolhidos para a missão, e aceitaram-na prontamente. Por volta do ano de 863 chegaram à Grande Morávia, um estado que abrangia diversas populações eslavas da Europa Central, na encruzilhada das influências recíprocas entre o Oriente e o Ocidente.


Ali empreenderam a missão para a qual haviam sido enviados. Para tal levaram consigo os textos da Sagrada Escritura, indispensáveis para a celebração da Sagrada Liturgia, ordenados e traduzidos por eles em Língua paleoeslava e escritos com um novo alfabeto, elaborado por Constantino Filósofo (São Cirilo) e perfeitamente adequado à fonética daquela língua.


O Papa Adriano II aprovou os livros litúrgicos eslavos e ordenou que fossem depostos solenemente sobre o altar na igreja de Santa Maria ad Praesepe, hoje conhecida como Santa Maria Maior, e ordenou que fossem ordenados os discípulos que acompanhavam os dois missionários.


Morte de São Cirilo e prisão de São Metódio


São Cirilo caiu gravemente enfermo, e pode apenas emitir seus votos religiosos e endossar o hábito monástico, pois no dia 14 de fevereiro de 869, estando em Roma, entregou sua alma à Deus.


Suas últimas palavras haviam sido endereçadas a seu irmão Metódio: