• Raimundo de Lima

"Levem a compaixão de Jesus aos doentes e mais necessitados", diz Papa Francisco


Foi a exortação do Papa Francisco aos participantes do Capítulo Geral da Ordem Hospitaleira de São João de Deus, conhecidos como Fatebenefratelli (Fazei o bem irmãos). Trata-se do 69º Capítulo Geral da Ordem religiosa, em andamento em Roma com o tema “Construindo o futuro da Hospitalidade”.

---------------------


“Peço-lhes que criem redes ‘samaritanas’ em favor dos mais fracos, com atenção particular aos doentes pobres, e que suas casas sejam sempre comunidades abertas e acolhedoras para globalizar uma solidariedade compassiva.”


Foi a exortação do Papa Francisco aos participantes do Capítulo Geral da Ordem Hospitaleira de São João de Deus, conhecidos como Fatebenefratelli (Fazei o bem irmãos), recebidos pelo Santo Padre na manhã desta sexta-feira (01/02) na Sala Clementina, no Vaticano.


Trata-se do 69º Capítulo Geral da Ordem religiosa, em andamento em Roma de 14 de janeiro a 5 de fevereiro com o tema “Construindo o futuro da Hospitalidade”.


Discernimento, proximidade-hospitalidade e missão


Em sua homilia, articulada em três temas – discernimento, proximidade-hospitalidade e missão–, o Pontífice agradeceu aos religiosos hospitaleiros pelo que são e pelo que fazem nas várias expressões de seu carisma.


Atendo-se ao tema do discernimento, disse tratar-se de uma atitude fundamental na vida da Igreja e na vida consagrada. “Sem um adequado discernimento seria impossível recordar reconhecidamente o passado, viver o presente com paixão e abraçar o futuro com esperança – os três objetivos indicados para o Ano da Vida Consagrada”, ressaltou Francisco.


Após afirmar que o discernimento se radica numa dimensão histórica, o Santo Padre fez votos de que este Capítulo fique no coração e na memória da “Congregação como uma experiência de diálogo e de discernimento, na escuta do Espírito e dos irmãos e colaboradores, sem cair na tentação da autorreferencialidade, que os levaria a fechar-se em si mesmos”.“


Por favor não façam da Ordem Hospitaleira um exército fechado, uma reserva fechada. Dialoguem, debatam e projetem juntos, a partir de suas raízes, o presente e o futuro da vida e missão de vocês, ouvindo sempre a voz de muitos doentes e das pessoas que precisam de vocês, como fez São João de Deus: um homem apaixonado por Deus e que tinha compaixão pelos doentes e pelo pobre.”


Passando ao tema da proximidade-hospitalidade, o Papa destacou que ambas são energias do Espírito que darão sentido à missão hospitaleira, “que animarão a espiritualidade de vocês e darão qualidade à sua vida fraterna em comunidade”, disse.


Causa do humano como causa de Deus


“Num consagrado, e em todo batizado, não pode existir compaixão autêntica pelos outros se não houver paixão de amor por Jesus. A paixão por Cristo nos impulsiona à profecia da compaixão. Que ressoe em vocês a causa do humano como causa de Deus. E assim, sentindo-se uma família, poderão colocar-se a cada momento a serviço do mundo ferido e enfermo.”


Em seguida, o Papa evocou aos presentes a figura evangélica do samaritano. “A preocupação pela vida ameaçada do outro faz emergir o melhor da sua humanidade, e lhe faz derramar com ternura óleo e vinho nas feridas daquele homem meio morto”, vítima de seus assaltantes.“


Neste gesto de puro altruísmo e de grande humanidade se esconde o segredo da identidade de vocês como hospitaleiros. Ao se deixarem envolver pelo outro e no gesto do samaritano de derramar óleo e vinho sobre as feridas daquele que estava caído por mãos de bandidos descobrirão a marca da própria identidade de vocês”, acrescentou Francisco.“


Uma marca que os levará a manter viva no tempo a presença misericordiosa de Jesus, que se identifica com os pobres, os doentes e os necessitados, e se dedica a serviço deles. Desse modo poderão cumprir a missão de vocês de anunciar e realizar o Reino entre os pobres e os enfermos. Com o testemunho de vocês e suas obras apostólicas asseguram assistência aos doentes e aos necessitados, com preferência pelos mais pobres, e promovem a pastoral da saúde.”


Tocar a carne de Cristo na carne dos que sofrem


O samaritano cuidou do ferido. A expressão “cuidar” tem uma dimensão humana e espiritual, disse o Pontífice. “Jesus quer que toquemos a miséria humana, que toquemos a sua carne na carne daqueles que sofrem no corpo e no espírito”, frisou.


Francisco pediu aos membros da família hospitalar de São João de Deus um sereno discernimento sobre as estruturas. Suas estruturas sejam “espaços em que especialmente os doentes e os pobres se sintam acolhidos. E lhes fará bem perguntar-se sempre como conservar a memória de tais estruturas que nasceram como expressão do carisma de vocês, a fim de que permaneçam sempre a serviço da ternura e da atenção que devemos às vítimas do descarte da sociedade”.


Por fim, atendo-se ao tema da missão partilhada, disse tratar-se de “uma verdadeira urgência, não só porque se atravessam momentos de escassez de vocações, mas porque nossos carismas são dons para toda a Igreja e para o mundo”.


Francisco concluiu exortando-os a levar “a compaixão e a misericórdia de Jesus aos doentes e aos mais necessitados. Saiam de vocês mesmos, de seus limites, de seus problemas e dificuldades, para unir-se aos outros numa caravana de solidariedade. Que seus jovens profetizem e seus anciãos não deixem de sonhar”.







Tags:

1 visualização
Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags