• Sérgio Fadul - Sanctorum

São Bruno


SÃO BRUNO, CONFESSOR - FUNDADOR DA ORDEM CARTUXA

São Bruno de Colônia (Colónia, c. 1030 – Serra San Bruno, 6 de outubro de 1101), o fundador da ordem dos cartuxos , fundou pessoalmente as duas primeiras comunidades da ordem. Ele foi um célebre professor em Reims e um conselheiro próximo de seu antigo aluno, o Papa Urbano II.

Lembrado por sua eloquência Suas elegias de funeral comemoram sua eloquência e sua poética, filosófica, e teológico talentos; seu mérito como professor reflete-se nos méritos de seus alunos, entre os quais estavam Eudes de Châtillon, mais tarde Papa Urbano II. Rangier, cardeal, bispo de Reggio; Robert, bispo de Langres; e um grande número de prelados e abades.

Chanceler da Diocese de Reims

Em 1075, Bruno foi nomeado Chanceler da Diocese de Reims, que o envolveu na administração diária da diocese. Enquanto isso, o piedoso bispo Gervais de Château-du-Loir, um amigo de Bruno, tinha sido sucedido por Manasses de Gournai, um aristocrata violento com nenhuma vocação para a Igreja. Em 1077, por insistência de Bruno e do clero em Reims, Gournai foi suspenso por um Conselho de Autun. Ele respondeu fazendo com que seus vassalos puxasse para baixo as casas de seus acusadores. Ele confiscou suas mercadorias, vendeu seus benefícios e até mesmo apelou ao Papa. Em 1080 uma sentença definitiva, confirmada pelo motim popular, compeliu Manasses de a retirar-se e refugiar-se com o Imperador Henrique IV, o adversário feroz do ambicioso atual Papado de Gregório VII.

Recusa de tornar-se um bispo. Bruno seguiu uma promessa que ele tinha feito a renunciar às preocupações seculares e retirou-se, junto com dois de seus amigos, Raoul e Fulcius, também cânones de Reims. O primeiro pensamento de Bruno em deixar Reims parece ter sido para colocar a si mesmo e seus companheiros sob a direção de um eminente solitário, Saint Robert, que tinha recentemente (1075) se estabelecido na sólida-Fontaine, perto de Molesme na Diocese de Langres, juntamente com uma banda de outros eremitas, que foram mais tarde (em 1098) formar a Ordem cisterciense. Mas ele logo descobriu que essa não era sua vocação. Após uma curta estadia foi com seis de seus companheiros para Saint Hugh de Châteauneuf, Bispo de Grenoble. O bispo, de acordo com a lenda pia, recentemente teve uma visão destes homens, sob um capuz de sete estrelas, e ele os instalou, em 1084, num local montanhoso e desabitado nos Alpes inferiores do Dauphiné, em um lugar chamado Chartreuse, não muito longe de Grenoble. Com Bruno foram cânones Landuin, Stephen de Bourg e Stephen de Die, de St Rufus, Hugh capelão e dois leigos, Andrew e Guerin, que depois se tornaram os primeiros irmãos leigos. Eles construíram um pequeno refúgio onde viviam isolados e em situação de pobreza, totalmente ocupados em oração e estudo. Esses homens tinham uma reputação de aprendizagem e frequentemente foram homenageados por visitas de São Hugh , que se tornou como um deles.

No momento, aluno de Bruno, Eudes de Châtillon, tinha-se tornado Papa Urbano II (1088). Resolvidos a continuar o trabalho de reforma iniciada por Gregório VII e sendo obrigado a lutar contra um Antipapa Guibert de Ravenna e o Imperador Henrique IV, foi na extrema necessidade de aliados competentes e dedicados e chamou seu mestre para Roma em 1090.

É difícil atribuir o lugar que Bruno ocupou em Roma, ou sua influência nos acontecimentos contemporâneos, pois manteve-se totalmente oculto e confidencial. Apresentando-se em Latrão, ele trabalhou como consultor do Papa. Logo após sua chegada em Roma, o partido papal foi forçado a evacuar o sul pela chegada de Henrique IV com seu própria Antipapa no reboque. Em toda a agitação, Bruno conseguiu apagar o papel que ele estava jogando na política. Ele mesmo não compareceu ao Concílio de Clermont, onde Urbano pregou a Primeira cruzada. Ele parece ter estado no Conselho de Benevento (Março de 1091). Sua parte na história é apagada.

Durante a viagem ao sul , o ex-professor de Reims atraiu a atenção em Reggio Calabria, que apenas tinha perdido seu arcebispo Arnulph no ano 1090. O Papa e Roger Borsa, Duque da Apúlia, Norman fortemente aprovado da eleição e pressionado Bruno aceitá-lo. Bruno pisou lado a oferta, que conduziu a um de seus antigos alunos nas proximidades uma abadia beneditina perto de Salerno. Em vez disso, Bruno implorou para voltar novamente à sua vida solitária. Sua intenção era voltar a seus irmãos na Dauphiné, como uma carta dirigida a eles deixa clara. Mas a vontade de Urban II manteve na Itália, perto de corte papal, para que ele poderia ser chamado a necessidade.

O lugar para seu retiro novo, escolhido em 1091 por Bruno e alguns seguidores que haviam se juntado a ele, foi a Diocese de Squillace, em um pequeno vale alto arborizado, onde a banda construída uma pequena capela de madeira e cabines. Seu patrono havia Roger I da Sicília, Conde da Sicília e Calábria e tio do Duque da Apúlia, que concedeu-lhes as terras que ocuparam e uma amizade desenvolveram. Bruno foi para o corte de Guiscard em Mileto para visitar a contagem na sua doença (1098 e 1101) e para batizar seu filho Roger (1097), o futuro rei da Sicília. Mas mais frequentemente Roger entrou em retiro com seus amigos, onde ele ergueu uma casa simple para si mesmo. Através de sua generosidade, o mosteiro de St Stephen foi construído em 1095, perto de l'hermitage original dedicado à Virgem.

Na virada do novo século, os amigos de São Bruno morreram um após o outro: Urban II em 1099; Landuin, prior da Grande Chartreuse, seu companheiro de primeiro, em 1100; Roger de contagem em 1101. Bruno seguido em 6 de outubro de 1101.

Legado de Bruno

Depois de sua morte, os cartuxos da Calábria, seguindo um costume freqüente da idade média, distribuídos um portador do rolo, um servo da Comunidade carregado com um longo rolo de pergaminho, pendurado em volta de seu pescoço, que viajou pela Itália, França, Alemanha e Inglaterra, parando para anunciar a morte de Bruno, e em troca, as igrejas, Comunidades ou capítulos inscrito após seu rolo, em prosa ou verso, a expressão das suas Lamentações, com promessas de orações. Muitos desses rolos foram preservados, mas poucos são tão extensa ou tão cheio de elogios que sobre Bruno St. Cem e setenta e oito testemunhas, dos quais muitos tinham conhecido o falecido, celebraram na medida de seu conhecimento e a fecundidade da sua instrução. Acima de tudo, estranhos a ele foram atingidos por seu grande conhecimento e talentos. Mas seus discípulos elogiaram suas três virtudes chefe — seu grande espírito de oração, mortificação extrema e devoção à Santíssima Virgem.

Ambas as igrejas construídas por ele no deserto foram dedicadas à Virgem: Nossa Senhora de Casalibus em Dauphiné e Nossa Senhora Della Torre na Calábria; fiel a suas inspirações, os estatutos da ordem dos Cartuxos proclamar a mãe de Deus o primeiro e principal patrono de todas as casas da ordem, quem pode ser seu patrono particular. Ele também é o epônimo para San Bruno Creek , na Califórnia.

Inscrição no calendário romano Bruno foi enterrado no cemitério pouco da Ermida de Santa Maria. Em 1513, seus ossos foram descobertos com o epitáfio "Haec sunt ossa magistri Brunonis" sobre eles. Desde que a ordem dos Cartuxos mantém uma estrita observância da humildade, São Bruno nunca foi formalmente Canonizado. Ele não foi incluído no Calendário Tridentino, mas no ano de 1623 Papa Gregório XV -lo incluído no Calendário dos Santos da Igreja Católica Romana para celebração em 6 de outubro. São Bruno tem sido considerado o padroeiro da Calábria.

Um escritor como fundador da sua ordem, Saint Bruno compôs comentários sobre os Salmos e as Epístolas de são Paulo. Duas cartas de sua também permanecem, sua profissão de fé e uma curta elegia em desprezo para o mundo que mostra que ele cultivou a poesia. St de Bruno "Comentários" revelar que sabia um pouco de hebraico e grego; Ele estava familiarizado com os pais, especialmente Santo Agostinho e Santo Ambrósio. "Seu estilo", disse Dom Rivet, "é concisa, clara, nervoso e simples, e seu latim tão bom quanto poderia esperar daquele século: é difícil encontrar uma composição deste tipo ao mesmo tempo mais sólido e mais luminosas, mais conciso e claro mais."

Na arte Católica, Saint Bruno pode ser reconhecido por um crânio que ele contém e contempla, com um livro e uma Cruz. Ele pode ser coroado com um halo de sete estrelas; ou com um rolo com o dispositivo "Ó Bonitas".

A este santo se deve a fundação de uma das Ordens religiosas mais importantes e mais humildes que prestam austeridade e reconhecimento a Deus. A ordem de Cartuxa da Torre (a Ordem dos Cartusianos).

Bruno nasceu em Colonha, na Alemanha em 1030 de um família nobre. Desde muito jovem estudou nas cidades francesas de Reims e Paris e quando voltou a sua pátria, foi ordenado sacerdote no Colegiado de São Cuniberto. Anos mais tarde regressou a Reims como professor de teologia e depois a Paris.

A ordem Cartuxana se recorda de uma tradição baseada em um episódio que se passou na cidade de Sena e que comoveu profundamente o nosso santo. Bruno estava orando um oficio fúnebre e ouviu o cadáver falar três vezes da tumba e a ultima frase dizia:

"Por justo juízo de Deus fui condenado".

Estas palavras fizeram com que Bruno abandonasse completamente o mundo e se entregasse totalmente ao Senhor com o desejo que sua alma fosse ascética e contemplativa, buscando uma união com Deus na oração e no silencio. Um dia se reuniu com seus amigos e depois de terem repartido seus bens com os pobres, se retiraram para a Abadia Beneditina de Solesmes.

Mas Bruno queria mais austeridade e mais contemplação, e não demorou muito ele e alguns de seus companheiros se retirarem para Cartuxa, um maciço montanhoso situado no meio do deserto na Diocese de Grenoble.

Conta São Hugo que o bispo daquela diocese teve na noite anterior um curioso sonho no qual ele viu descer dos céus sete estrelas sobre aquela terra árida.

Era a premonição da chegada de Bruno e seus 6 discípulos.

Era o ano de 1084 quando nosso santo e seus colegas tomaram posse daquele lugar e levantaram humildes barracos de madeira e uma pequena capela dedicada a Virgem.

Ao cabo de alguns minutos e graças a Divina Proteção, saiu da terra um jato d’água que se converteu e uma fonte que daria água aqueles homens solitários.

Cartuxos e o bispo de Grenoble

Nascia a Ordem de Cartuxa.

A abstinência que levavam era muito rigorosa.

Só comiam de dois em dois dias, dormiam poucas horas e era grande a disciplina, as roupas ásperas de cor branca, oração, trabalho e caridade.

Para se ter uma idéia de como era, o Abade de Cluny, descreveu muito espantado o seguinte:

"são os mais pobres entre os monges e habitam cada um uma cela com seu tosco habito de penitencia e quase só comem pão.

Não comem carne, nem pescado.

Aos domingos e as quintas comem ovos e queijo.

As segundas e sábados ervas e nos outros dias água e pão.

Só comem uma vez ao dia, exceto nos dias de festa quando não comem e guardam estrito silencio, se comunicando através de sinais."

Após alguns anos o Papa Urbano II que havia sido professor de Bruno em Reims, o chamou a Roma para que fosse seu colaborador.

Bruno teve de deixar o deserto e viajar a Roma, onde o seguiram alguns de seus discípulos.

Embora tenha sido nomeado Arcebispo de Reggio, em sua mente estava a vontade de voltar a vida ascética e do silencio.

Ao cabo de alguns anos o Sumo Pontífice permitiu que ele voltasse a solidão na Itália, Calábria onde ele fundou o Mosteiro de Santa Maria del Yermo tambem chamada de Odem Cartuxa da Torre.

Ali sua Ordem floresceu e em breve teve que erigir outro monastério, o que foi feito com o nome de Monastério de São Stefano em Bosco.

Muitos devotos iam ao encontro de Bruno a pedir seus conselhos e ajuda, e muito foram curados apenas pela sua benção.

Sua fama logo se estendeu a toda a Itália, França e Alemanha.

Ele faleceu em 6 de outubro de 1101 e é o patrono da cidade de Colonha na Alemanha .

Sua festa é celebrada no dia 6 de outubro.

MAIS UM POUCO SOBRE SÃO BRUNO

A primeira notícia da sua vida é esta, do século XIII:

"O Mestre Bruno, de nacionalidade alemã, da célebre cidade de Colónia, nascido de uma conhecida família, muito instruído nas letras profanas e divinas, cónego da igreja de Reims - primeira cátedra das Gálias - e seu mestre-escola, abandonando o mundo, fundou o deserto da Cartuxa e dirigiu-o seis anos. Mandado pelo papa Urbano, de quem antes tinha sido mestre, foi para a Cúria para ajudar o próprio Pontífice com o seu apoio e conselho. Mas não podendo resistir à agitação e aos costumes da Cúria, ardendo em desejos da solidão e quietude perdidas, deixou a Cúria, rejeitou o arcebispado de Reggio, para o qual, por vontade do papa, tinha sido eleito, e retirou-se a um ermo da Calábria chamado Torre. Reunidos ai numerosos leigos e clérigos, levou a cabo, enquanto viveu, o seu programa de vida solitária. E ali morreu e foi enterrado, uns onze anos depois de deixar a Cartuxa."

O que é a Cartuxa? São Bruno numa carta que escreveu a um seu amigo Raul explica: "Que utilidade e gozo divinos trazem consigo a solidão e o silêncio do deserto a quem os ama; só o sabem quem os experimentou. Aqui podem os homens esforçados recolher-se em si quanto queiram, e morar consigo, cultivar com afã as sementes das virtudes, e alimentarem-se felizes dos frutos do paraíso. Aqui se adquire aquele olho cujo olhar fere de amor ao Esposo, olhar limpo e o puro vê a Deus. Aqui pratica-se um ócio laborioso, e repousa-se numa sossegada actividade. Aqui, com a esforço do combate, Deus premeia os seus atletas com a sua benevolência, a saber, 'a paz que o mundo ignora e o gozo no Espírito Santo'".

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square