• Pascom

O Valor das Imagens


Existe um único mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo. Não existe outro caminho para chegarmos a Deus Pai a não ser por Cristo. Pois Ele mesmo disse “Eu sou o caminho. Ninguém vai ao Pai, a não ser através de mim.” (João 14,6).


Os Santos foram pessoas que se ligaram a Cristo e daí partiram para o Pai. Constituem para nós exemplos, referências e modelos a serem seguidos. Pela vida que levaram podemos saber qual o caminho que conduz para o grande Caminho que é Cristo. São Paulo, em nome de Deus que o inspirou, escrevia: “Sejam meus imitadores. Como eu também sou de Cristo.” (1Cor11,1).


São Paulo se interessava tanto que chegássemos a Cristo, que se comparou a uma mãe preocupada com o alimento mais apropriado ao filho (1Cor3,2). São Paulo foi mais que um simples anunciador. Foi um real acompanhante, ajudante e nutriente. Ele se considerava efetivamente preocupado com a comunidade cristã (2Cor11,2) (Colos2,1a5). São Paulo nos leva a Cristo, e Cristo nos leva ao Pai.


Não conseguimos pensar em coisas sem criar as imagens das coisas. A didática insiste em imagens e figuras porque elas ensinam. Uma imagem bem expressiva gera muitos pensamentos, conduz a alma para a religião e eleva o espírito a Deus. O artista ao fazer uma imagem, pintura ou estátua, tem exatamente esta intenção: que ela nos transmita algum bom pensamento.


Se até uma criança tem descortino intelectual suficiente, a ponto de saber que a boneca em suas mãos não é uma criança de verdade, com muito mais razão a mãe desta criança sabe que a boneca não é gente. Todas as pessoas de bom senso sabem que nenhum cristão pensa que a estátuas sejam pessoas vivas, e muito menos que essas estátuas sejam deuses de verdade, como os antigos egípcios e babilônios pensavam.


A imagem que nos faz pensar em Cristo, seguir a Cristo e amar a Cristo, é uma imagem a favor de Cristo. Por conseguinte, merece nossa atenção e nossa reverência. “O que não é contra nós, é a nosso favor.” (Mc 9,40).


No meio de povo de Israel, no tempo de Cristo, já não existia mais o politeísmo. Ninguém adorava imagens como sendo deuses. Em nenhum momento Cristo determinou que se deixasse de fazer imagens ou estátuas. Havia sim outro tipo de deuses falsos: a ganância, o dinheiro, a riqueza e o orgulho. Contra esses deuses falsos Cristo se levantou, pois eram deuses que matavam ou diminuíam o culto ao Deus verdadeiro e prejudicavam seriamente o amor ao próximo, que é um dos objetivos centrais da verdadeira religião que Ele estava fundando.


No Sermão da Montanha Cristo disse: “Vocês não podem servir a Deus e estar ao mesmo tempo procurando gananciosamente riquezas deste mundo.” Esta ganância vai fazer com que vocês se esqueçam de Deus. Vai impedir que vocês se lembrem de sua própria alma, e vai levar vocês a deixarem de fazer qualquer benefício aos outros (Mt 6,24).


A Nicodemos, Cristo afirmou: “Do mesmo modo que Moisés ergueu uma serpente de bronze no deserto, presa a uma haste, assim também eu devo ser erguido numa cruz.” (João 3,14). Milhões de crucifixos eternizam o gesto de supremo amor do Salvador no alto do Calvário. Não tivemos oportunidade de ver Jesus pendente numa cruz. Mas quando contemplamos atentamente um crucifixo, podemos nos transportar para Jerusalém, até o Monte Calvário e presenciar o martírio de nosso grande Amigo que morreu por amor a nós. E naqueles momentos de meditação podemos agradecer sinceramente ao nosso Salvador. Podemos expressar ao Mestre, sempre Amigo, o nosso amor e nossa gratidão.


Tudo o que contribui para aumentar o amor a Cristo é um bem e merece ser promovido. Os crucifixos fazem o povo amar a Cristo. Portanto os crucifixos são um bem e merecem ser promovidos. Os crucifixos relembram o intenso amor de Cristo, a ponto de morrer por todos nós. Ele havia profetizado que quando fosse erguido na cruz, atrairia todos a Ele (João 12,32).


O crucifixo despertou piedade, amor e gratidão em milhões de cristãos de todos os continentes, que encontraram nesta imagem um meio de santificação. O crucifixo inclui a ideia da Ressurreição. Cristo que foi crucificado ressuscitou. Muitas pessoas, além do crucifixo, gostam de ter a imagem de Cristo vivo. Assim se veem imagens de Cristo-Rei, de Cristo Redentor, de Cristo Mestre. Em milhões de famílias vê-se a imagem de Cristo com o coração envolto em luz e em chamas, simbolizando Cristo a Luz do Mundo, que ama a humanidade com a plenitude de seu coração. A Imagem de Cristo, bem explicada, torna a Religião intensificada.


Texto inspirado na palestra do Mons. José Roberto Devellard, na Ig. N.S. da Glória.

16 visualizações
Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square